AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Seis pessoas ligadas ao PCC são presas com 300 quilos de cocaína

A Polícia Federal prendeu em Mato Grosso do Sul seis pessoas ligadas ao PCC (Primeiro Comando da Capital), que estavam com 300 quilos de cocaína pura, armas, munições, automóveis e utilitários. Entre os presos estão o fazendeiro Antônio Biara, 55 anos e a comerciante Elza Aparecida da Silva, 34 anos, irmã de José Severino da silva, o "Cabecinha do PCC", condenado a 30 anos de prisão por tráfico de drogas, foragido desde dezembro último quando recebeu indulto de natal.As prisões começaram por volta de 18h da quinta-feira no município de Coxim, região norte do Estado, no Pantanal, onde foram detidos os traficantes Marcos Aparecido Ferreira da Silva, 34 anos e Egildo de Souza Almeida, 51 anos. Eles estavam saindo da Fazenda Bom Fim, a 40 quilômetros do centro daquela cidade na caminhonete modelo Toyota, placas HQY-6356, transportando em um fundo falso 100 pacotes de cocaína, pesando um quilo cada. Foram presos na superintendência da PF em Campo Grande.Nesta sexta, durante a madrugada, os agentes voltaram até a fazenda e apreenderam mais 200 quilos da droga, que estavam enterrados próximo da sede do imóvel, propriedade de Antônio Biara. Ele foi preso em flagrante, e de Coxim os agentes prosseguiram a operação prendendo em Campo Grande, Márcio Moura Silva, 26 anos, comerciante e sobrinho de Elza, além de Agildo de Souza Silva Júnior, 26 anos, ambos com antecedentes pela prática de tráfico de entorpecentes.Segundo nota divulgada pela PF, os presos confessaram ser parte da quadrilha liderada pelo "Cabecinha do PCC". Durante rodízio de prisioneiros perigosos, Silva foi transferido para Araraquara (SP) em troca de outro detento que também é membro da mesma facção criminosa. Logo depois foi levado para Minas Gerais, e ali recebeu indulto de natal no final de 2005. Nunca mais retornou ao presídio.ApreensõesÉ a maior apreensão de cocaína deste ano no MS. Também foram apreendidas com a quadrilha cinco espingardas, um revólver, quatro caixas de munições, um barco, um caminhão baú, uma motocicleta, um Uno Mile, um Ford Ka, um Córdoba, uma caminhonete Toyota e uma Mondeo.A Polícia Federal já levantou a existência de dezenas de imóveis e casas comerciantes pertencentes ao grupo, e solicitou a Justiça Federal a desapropriação de todo esse patrimônio. Também está investigando as atividades de outros sete membros do grupo, que poderão ser presos nos próximos dias.

Agencia Estado,

26 de maio de 2006 | 18h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.