Marcus Ferreira/Divulgação
Marcus Ferreira/Divulgação

Sem combustível em ambulância, bebê morre à espera de transporte

Família tentou pagar combustível do próprio bolso, mas técnicos teriam negado; bebê tinha quadro de pneumonia

Fabio Bispo, Especial para o Estado

16 de junho de 2017 | 20h20

FLORIANÓPOLIS - A morte de uma menina de 1 ano na cidade de Joinville, em Santa Catarina, chocou amigos e parentes que aguardaram mais de 15 horas para fazer a transferência da criança de Mafra, onde deu entrada com sintomas de pneumonia. Segundo a família, faltou combustível na ambulância que faria o transporte. Os pais da menina chegaram a oferecer dinheiro para colocar combustível no veículo, mas os técnicos teriam negado. 

Heloísa foi internada no Hospital São Vicente de Paulo, de Mafra, na última quarta-feira, 7. Na quinta-feira, 8, o quadro clínico da menina piorou e o médico pediu a transferência para o Hospital Infantil de Joinville, a 135 quilômetros de distância. No entanto, na hora de fazer o transporte, a ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) do município estava sem combustível. 

No desespero, foi acionada uma ambulância de Rio Negrinho, cidade vizinha, mas a equipe de plantão estava incompleta e não tinha médico para acompanhar a transferência. Durante a espera, o quadro de Heloísa piorou e ela precisou ser estabilizada no hospital de Mafra. Os médicos tentaram então acionar o helicóptero da Polícia Militar, mas o mau tempo não permitiu condições de voo. 

Já na madrugada de sábado, 17, uma ambulância de Canoinhas, também na região, acabou levando a menina até Jaraguá do Sul, de onde outro veículo completou o trajeto até Joinville. Depois de mais de 15 horas, Heloísa foi internada na UTI do Hospital, onde sobreviveu somente por mais 12 horas.  

O tio da menina gravou um vídeo que circula pelas redes sociais e afirma que houve negligência por parte do Estado. “Improbidade, negligência, imprudência, imperícia. Nós estamos protestando neste vídeo. Nós não queremos que outras famílias passem por este mesmo sofrimento, por esta mesma negligência."  Veja:

A Polícia Civil foi acionada e investiga o caso. A Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), responsável pela administração do Samu, infirmou que vai se manifestar após a apuração dos fatos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.