Sem conexão

Sou contador, tenho um pequeno escritório em minha cidade e há algum tempo sofro com a Receita Federal do Brasil. Tenho de gerar guias para o cliente quitar seus débitos e uma delas é a do recém-criado DAS. O documento só pode ser emitido pelo site da Receita e sempre que precede o vencimento do imposto o site sai do ar. Meus clientes não têm acesso a essa informação e já passamos por mentirosos e enrolados! Já entrei em contato com a Receita, com ouvidorias e delegacias regionais, mas ninguém explica o motivo. De quem será a responsabilidade se, por ventura, não conseguir emitir tal documento e este gerar multa por atraso?ALEX SANDER MARQUES NALINJacarezinho (PR)A Receita Federal do Brasil informou que as guias de recolhimento do Simples Nacional - DAS são geradas acessando o Portal do Simples Nacional, no site da Receita. O órgão orienta os contribuintes para que não deixem para os últimos dias, pois o número de acessos aumenta muito, ocasionando um tempo de resposta maior. É efetuado um monitoramento constante aos acessos ao site, para que não ocorra nenhum tipo de problema. A Receita esclarece ainda que, quando um contribuinte informa à Delegacia da Receita algum problema, ela o orienta e aciona a estrutura regional e nacional.MAURO PANELLALeitor contesta: Faz quase um ano que o problema ocorre! A Receita não redimensionou o sistema? É falta de verba? É um desrespeito! O usuário tem de ter acesso no momento mais cômodo para ele, e não para a Receita, que é um prestador de serviço do Estado.Quem é responsável?Tenho um quiosque no quilômetro 98 da Estrada de Pindamonhangaba, no sentido Rio de Janeiro. Já fiz vários pedidos para que jogassem pedregulho na Nova Via Dutra ou melhorasse o acesso da estrada municipal do Pinhão do Una, que dá acesso ao meu estabelecimento e a várias fazendas e chácaras do bairro. O acesso está totalmente esburacado e com infiltração de água, pois muitos caminhões passam por ali. Qualquer dia só jipes conseguirão passar! Um funcionário da Nova Dutra respondeu que se trata de um acesso municipal, portanto, de responsabilidade da prefeitura de Pindamonhangaba. Por sua vez, a prefeitura afirma ser de responsabilidade da Nova Dutra. O secretário de obras da cidade disse que não pode mexer em nada porque, se colocar tratores ou caminhões para fazer a melhoria, a polícia rodoviária vem apreender seus equipamentos. Quem trafega na rodovia paga pedágio e os moradores do bairro, impostos.PAULO ROLAND SANSELME VIEIRA PindamonhangabaA Nova Dutra reafirma que a Estrada do Pinhão do Una está situada fora da faixa de seu domínio e a sua manutenção é de responsabilidade da prefeitura de Pindamonhangaba, por ser uma estrada municipal. Um projeto de modernização do acesso pela Dutra a essa estrada, apresentado pela prefeitura, chegou a ser aprovado, mas não foi executado. Destaca que é obrigação contratual da Nova Dutra zelar pela faixa de domínio, o que obriga a empresa a impedir intervenções que não atendam às exigências do poder concedente. Todo e qualquer projeto que envolva obra na faixa de domínio precisa ser apreciado e aprovado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres, responsável por fiscalizar a concessão. Bagunça no tráfegoDesde fevereiro registro queixas na CET sobre o descalabro de universitários que tomaram as ruas da Chácara Santo Antonio. Eles param na contramão, em cima das calçadas, nas esquinas. A minha solicitação é para manter uma única mão na Rua Dr. João Carlos Kruel, uma rua que não suporta duas mãos. Mas a CET não faz nada. SIGISMUNDO MIGUEL AVEROLDISão PauloA CET informou ter realizado vistoria na Rua Doutor João Carlos Kruel, que possui sete metros de largura, pequena extensão e baixo fluxo de veículos. Por isso a implantação de sentido único na via poderia acarretar dificuldades de acesso ao trânsito local. Será realizada pesquisa domiciliar para consulta aos moradores do local sobre a sugestão do leitor. Os agentes de trânsito, em conjunto com a Polícia Militar, realizam fiscalização permanente nas vias locais no período noturno, a fim de coibir o desrespeito às normas de sinalização do trânsito local e abusos. ADELE CLAUDIA NABHAN, do Departamento da Imprensa da CETO leitor contesta: O problema vai continuar sem solução. A resposta é de quem não quer resolvê-lo. A alegação de manter permanente fiscalização seria verdadeira, se não ocorressem mais as irregularidades diárias.As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.