Sem emissão de bilhetes, Congonhas fica quase vazio

Até 19h30, aeroporto que em geral tem mais de 130 partidas teve só 35; cancelamentos chegaram a 71%

O Estadao de S.Paulo

07 Julho 2026 | 00h00

Um dia depois de a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) proibir a venda de novas passagens para vôos partindo de Congonhas, o movimento de passageiros no saguão e nas filas de check-in no aeroporto foi muito pequeno. Ontem pela manhã, os poucos passageiros tiveram de ir embora, pois a maioria dos vôos foi cancelada. Às 20 horas, das 193 decolagens programadas, 137 (71%) tinham sido canceladas e 12 (6,2%) tiveram atrasos de mais de uma hora. Ao contrário de anteontem, quando o mau tempo deixou o pátio de aeronaves comerciais vazio por duas horas e meia, houve 55 pousos e 35 decolagens entre 6 horas e 19h30, segundo a Infraero. Em dias normais, no mesmo período, o número de partidas deveria ser superior a 130, segundo a estatal. O pátio ficou vazio por 30 minutos no início da manhã, pois a pista auxiliar ficou fechada para pouso entre 6 horas e 7h10 por causa da baixa visibilidade e da chuva. Depois os aviões pousaram com ajuda de instrumentos. A primeira aeronave a tocar o solo de Congonhas foi uma da Pantanal, às 8h40. A partir de 12h27, as operações passaram a ser visuais. Mesmo as companhias aéreas já haviam cancelado a maioria das decolagens. "Ligamos antes e confirmaram o vôo no horário previsto. Quando chegamos, a atendente disse que desde segunda-feira nenhum vôo da Gol estava decolando de Congonhas", contou o músico Sérgio Jorge, que tentava voltar ao Rio. Seu grupo cogitava ir de ônibus. "A empresa nos ofereceu um vôo saindo de Viracopos (em Campinas) às 19 horas, mas não temos certeza se vai sair." O mesmo ocorreu com o time de futebol do Remo. O vôo de volta a Belém, pela TAM, foi confirmado por telefone, mas cancelado no aeroporto. O compositor e cantor Jorge Mautner foi um dos poucos a conseguir descer em Congonhas ontem. Ele saiu do Rio achando que desceria em Guarulhos, mas, pouco antes de tocar o solo, o comandante da aeronave da Gol informou que eles estavam em Congonhas. Questionado se houve reação dos passageiros, ele achava que quase ninguém havia escutado. "O pouso foi tranqüilo." No fim da tarde, a TAM informou o cancelamento da venda de passagens a partir do aeroporto da capital paulista até domingo. A medida, imposta pela Anac, visa a normalizar as operações em Congonhas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.