Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Sem energia elétrica, Amapá vira zona de guerra

Governo anunciou sistema de rodízio no Estado; promessa em Santana era de energia por seis horas e, em menos de 60 minutos, fornecimento caiu

Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2020 | 12h48

MACAPÁ - Sem energia elétrica, moradores das cidades do Amapá enfrentam borrachudos e bombas de efeito moral. Uma onda de revoltas pelo apagão, que entra neste domingo, 8, no sexto dia, ocorre nos bairros das periferias.

Na noite de sábado, 7, e madrugada de domingo, um protesto em Remédios II, no município de Santana, a 20 quilômetros de Macapá, foi reprimido pela tropa de choque do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar. Os agentes dispersaram a manifestação, que bloqueou com fogo e pneus uma das vias de acesso à cidade, de cerca de 120 mil habitantes.

O governo federal diz que 76% da energia foi restabelecida no Estado, mas com um sistema de rodízio, em turnos de seis horas. Moradores, porém, relatam instabilidade em Macapá e no entorno. A previsão oficial é que a situação seja totalmente normalizada só no fim desta semana, mas a Justiça obrigou o restabelecimento da energia no Estado em até três dias

Protestos de moradores pela falta de uma solução para a interrupção da rede elétrica e de água, que depende de bombas, acontecem desde a última terça-feira, 3, em pontos diferentes do Estado, incluindo a capital. Uma subestação de energia pegou fogo na terça, o que deu origem ao apagão.

A cúpula da polícia amapaense deu aval ao uso do choque contra os atos, que não têm lideranças definidas. Nos dias anteriores, houve manifestações menos tensas em São José, Pedrinhas e Muca. Todos são bairros de população de baixa renda na região sul de Macapá.

Em Santana, moradores reclamavam da expectativa frustrada de restabelecimento temporário nos bairros situados a partir da Rua Cláudio Lúcia Monteiro, na entrada do município, via onde funciona o Fórum de Santana. A promessa era a de que teriam energia durante seis horas do sábado. Em menos de sessenta minutos, o fornecimento caiu.

Com ventilador desligado e janela aberta, mosquitos invadem casas

A mesma oscilação foi registrada em outros pontos da cidade. É uma realidade que contrasta com a aparência de normalização que o governo federal procura demonstrar. Nas comunidades, a escuridão completa potencializa o medo da violência.

A queixa mais comum nas ruas dos bairros é sobre a impossibilidade de usar ventiladores e ar-condicionado. Com isso, os carapanãs, infernais mosquitos borrachudos da Amazônia, aproveitam as janelas abertas para tornar as noites quentes desagradáveis.

Os moradores não têm informações sobre os critérios do rodízio para escolha dos bairros que serão religados, nem sobre os períodos em que a energia estará disponível nas tomadas. “Estamos reivindicando porque não aguentamos mais. Não sabemos mais o que fazer. Estamos sem luz, sem internet, sem comunicação. Isso não é justo. Para uns tem (energia), para outros não tem”, disse a dona de casa Marta Lúcia Moraes, de 47.

Policiais admitem preocupação com escalada da revolta

O relógio marcava 22h50 de sábado quando os manifestantes cercaram a equipe de reportagem. Homens e mulheres, jovens e adultos, do bairro Remédios II, se atropelavam, em desabafos dramáticos. Não tem comunicação, dizia um. Não tem energia para refrigerar a carne cara, reclamava outro. Não tem água para tomar banho. Não tem água para limpar privadas.

“A gente não pode se calar. Não podemos aceitar isso que estão querendo impor para nós. Temos de ir pra rua manifestar, ir atrás dos nossos direitos. Nossos alimentos estão acabando, estragando”, esbravejou Juliana de Jesus, de 28 anos.

Quatro jovens apareceram com rostos cobertos por camisas para não revelar as identidades. À equipe de reportagem, disseram que policiais militares haviam ameaçado prendê-los arbitrariamente, mas sem dar detalhes. “Reportagem? Pode colar, na humildade. Queremos respostas, não queremos quebrar nada”, afirmou um deles. A tropa de choque chegou sem fazer barulho. Sob comando de um tenente, partiu para cima do grupo com a munição de efeito moral. Manifestantes revidaram arremessando paus e pedras.

Ao progredirem em direção às barricadas, recomendaram à reportagem cautela no cruzamento com ruas transversais: a população local costuma ter espingardas e, protegidos pelo escuro, poderiam radicalizar. O acirramento se estendeu por mais uma hora. Não houve registros de feridos até o início do dia. Policiais confidenciaram preocupação com a escala das revoltas, caso a situação não volte ao normal em breve.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.