Sem informação, fiéis sofrem nas ruas do Rio

Na noite de terça-feira, peregrinos foram prejudicados pelo colapso do sistema de transporte público

O Estado de S. Paulo

24 Julho 2013 | 23h36

RIO - Quem foi à missa inaugural da Jornada Mundial da Juventude, terça-feira, 23, em Copacabana, acordou na quarta de ressaca. Sob um frio que chegou aos 15 graus e uma chuva que não parou até a madrugada, os fiéis precisaram enfrentar horas nas portas das estações de metrô, ônibus parados no trânsito e, em alguns casos, caminhadas quilométricas até chegar aos alojamentos e às casas de família. Mesmo com os trens em pleno funcionamento - a pane metroviária terminou às 18h40 - , o transporte público do Rio não deu vazão à multidão que voltava da zona sul para os bairros e trajetos de 40 minutos se transformaram em périplos de até cinco horas.

Ao contrário do esquema programado pela prefeitura, o trânsito não foi oficialmente interditado nas imediações da Estação Cardeal Arcoverde, a mais tumultuada, mas foi interrompido pelos milhares de fiéis que voltavam da missa ao mesmo tempo. A partir das 20h, a multidão começou a se misturar a carros, táxis e ônibus. Era tanta gente que a fila da Cardeal Arcoverde se misturou à da Estação Siqueira Campos, um quilômetro adiante. Faltou informação e até comida - a espera para entrar nas lanchonetes credenciadas assustava os peregrinos.

Alojado no Méier, na zona norte, a 20 quilômetros de Copacabana, um grupo de italianos saiu da missa às 20h e tentou, em vão, pegar um ônibus. "Eles não paravam quando a gente chamava. Os que paravam, estavam tão cheios que não dava para subir", contou Francesco Chinetti, de 18 anos. Eles resolveram andar até Botafogo para pegar o metrô até o centro e, de lá, tomar um ônibus. Chegaram em casa à 0h30. "O problema não é o evento, é o depois. É muita desorganização, acho que não esperavam tanta gente nas ruas."

Sem orientação, muitos visitantes ficaram perdidos em Copacabana. Os voluntários não estavam preparados para dar informações sobre transporte e os policiais mal conseguiam manter nas calçadas as imensas filas dos pontos de ônibus. A peregrina Roseli Machado, de 48 anos, e mais um grupo de adolescentes de Harmonia (RS), saíram de Copacabana às 21h30 e chegaram a Taquara, a 30 quilômetros de distância, à 1h30. Elas não sabiam que condução pegar e embarcaram em um ônibus que as deixou a três quilômetros do alojamento, depois de horas no trânsito. A caminhada foi feita debaixo de chuva, em ruas escuras e desertas, sem sinalização. "Foi horrível. Demos as mãos bem forte, teve uma hora até que a gente rezou uma Ave Maria", disse Letícia Maria Pereira, de 16 anos.

Quem teve paciência para esperar o metrô, como o chileno Ignacio Jacquest, de 17 anos, presenciou funcionários liberando a catraca para que os peregrinos entrassem mais rapidamente, sem pagar. Nas ruas de Copacabana, sacos de lixo se amontoavam nas calçadas. / ANTONIO PITA, CLARICE CUDISCHEVITCH E NATALY COSTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.