Wilton Júnior/AE
Wilton Júnior/AE

Sem investimentos, Rio não estará pronto para 2016, diz Tarso

Em reunião com Sérgio Cabral, ministro da Justiça promete aumentar verba de segurança no orçamento de 2010

Alfredo Junqueira, de O Estado de S. Paulo,

27 de outubro de 2009 | 13h57

O ministro da Justiça, Tarso Genro, declarou nesta terça-feira, 27, que, no ritmo atual de investimentos em segurança pública, o Rio não estará pronto para sediar os Jogos Olímpicos de 2016. Para ele, é necessário triplicar, o volume atual de recursos para o setor. As declarações foram dadas após encontro com o governador do Rio, Sérgio Cabral, no Palácio Laranjeiras, residência oficial dos chefes do Executivo Fluminense.

 

Veja também:

linkPreso suspeito de matar coordenador do grupo AfroReggae

linkCaso AfroReggae expõe 'gangrena' em PM do Rio, diz 'Le Monde'

linkONGs: governo e polícia do Rio agem de maneira vingativa

mais imagens Blog da Foto: Notícias de uma guerra não tão particular

 

O encontro teve a participação de representantes do Ministério da Justiça e da cúpula da segurança do Estado. Tarso ainda anunciou que pretende antecipar recursos previstos para dezembro de 2009 para serem aplicados ainda este mês. Ele também se comprometeu a aumentar as verbas de segurança para o Rio no orçamento de 2010.

 

O Ministério da Justiça informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que repassou, desde o início deste ano, R$ 121,30 milhões para o Rio. O dinheiro foi para financiar o Fundo Nacional Penitenciário e as ações do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci). Parte da verba, de R$ 12 milhões, foi transferida para que o estado adquirisse um novo helicóptero destinado a reforçar as ações policiais.

 

Até o fim deste ano, está prevista a liberação de mais R$ 131,80 milhões para financiar os mesmos projetos, além do Fundo Nacional de Segurança Pública (compra de capacete balístico, coletes, armamentos e viaturas, entre outros). Esse montante não inclui os R$ 100 milhões destinados ao Rio, anunciados na semana passada por Lula após confrontos entre policiais e traficantes de drogas no Morro dos Macacos.

 

A recente onda de crimes no Rio, semanas após a escolha da cidade como sede da Olimpíada, fez com que o governo tomasse medidas para mudar a situação da violência. Cabral já disse que tem conversado diariamente por telefone com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para relatar o problema da falta de segurança no Rio. Durante uma dessas ligações, o presidente sugeriu a reunião entre Tarso e o governador.

 

Após uma tentativa de invasão feitas por traficantes de facções rivais a uma favela na zona norte carioca, 47 pessoas morreram vítimas da violência - entre as vítimas estão inocentes e policiais. Além disso, a morte de um coordenador do AfroReggae pode colocar em pauta a assuntos como a preparação de policiais e os investimentos do governo na área de segurança pública.

 

Criminosos assaltaram o ativista social e atiraram. Minutos depois, uma viatura da PM chegou ao local, os policiais abordaram os bandidos, recolheram o material roubado e liberaram os suspeitos, sem socorrer a vítima que agonizava na calçada do centro da cidade. "São bandidos ao quadrado. É inaceitável o que ocorreu", afirmou Cabral sobre o assunto na semana passada.

 

(Com Agência Brasil)

 

Atualizado às 14h42 para acréscimo de informações.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaRioSergio CabralTarso Genro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.