Sem ser notada, quadrilha rouba joalheria de shopping na BA

Em ação ousada, o grupo, com cerca de dez assaltantes bem vestidos, levou aproximadamente R$ 250 mil

Tiago Décimo, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2008 | 15h54

Um grupo de cerca de dez assaltantes, sem sotaque nordestino, que age sempre bem vestido e foge em carros caros, está assustando a população de Salvador por causa da ousadia de suas ações. Na tarde de domingo, eles assaltaram a joalheria Lorena Jóias, dentro do Shopping Iguatemi. Mesmo com o grande movimento no centro comercial, por volta das 16 horas, eles conseguiram levar cerca de R$ 250 mil em produtos da loja e fugiram sem ser notados pelos freqüentadores.   O segurança que trabalha no estacionamento do shopping, Emanuel Jorge de Jesus, foi a única pessoa que suspeitou de algo e acabou sendo feito refém durante a fuga dos assaltantes. Foi liberado dez minutos depois, em um importante entroncamento da capital baiana.   A polícia baiana não confirma, mas tampouco descarta, que o grupo seja o mesmo que, nas últimas duas semanas, assaltou uma agência do HSBC no bairro de classe média-alta da Graça e uma distribuidora da Nova Schin, em Lauro de Freitas. O modo de ação dos criminosos, descrito pelas vítimas das três ações, porém, é bastante semelhante.   Em todas, os assaltantes chegaram ao estabelecimento discretamente, de terno, e anunciaram os assaltos sem nervosismo, nem gritaria. De quatro a seis pessoas entram no local da ação. Para mostrar as armas, eles apenas levantam a lateral do paletó.   Dois ou quatro monitoram o movimento nos arredores e mantêm os que estão dentro do estabelecimento informados sobre a movimentação em contatos por telefone celular. Dois outros mantém ligados os carros que serão usados para a fuga - no caso do assalto de domingo, um Ford Ecosport e um Chevrolet Astra.   Foi o carro ligado perto da saída do estacionamento que chamou a atenção do segurança. "Cheguei perto do carro e, antes que eu pudesse falar qualquer coisa, fui rendido e colocado dentro", conta Emanuel de Jesus. "Quando eles viram que não havia ninguém seguindo, fui liberado."   A polícia ainda não tem pistas sobre quem sejam os criminosos. Na manhã desta segunda-feira, 19, agentes estiveram no shopping para colher impressões digitais da loja e analisar as fitas do sistema do sistema interno de vídeo do centro comercial.

Tudo o que sabemos sobre:
Salvadorassaltopolícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.