Mônica Nobrega/Estadão
Mônica Nobrega/Estadão

Sem sol por causa de arranha-céus, praia de Balneário Camboriú será alargada em mais 40 metros

Governador entregou licença para instalação da obra que custará R$ 68 milhões e será realizada por empresa norueguesa

Fábio Bispo, especial para o Estadão

19 de dezembro de 2020 | 15h00

FLORIANÓPOLIS - O Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina e o governador Carlos Moisés (PSL) assinaram na tarde desta sexta-feira, 18, a liberação da Licença Ambiental de Instalação (LAI) para o alargamento da Praia Central de Balneário Camboriú. O projeto, que na primeira fase custará R$ 68 milhões, prevê um aumento de mais de 40 metros da área de praia, que passará dos atuais 25 metros para 70.

A praia é conhecida pelos arranha-céus e também pela sombra que eles projetam em toda a extensão do balneário logo depois do meio dia. Segundo o prefeito Fabrício de Oliveira (Podemos), com a ampliação da faixa de areia, o município também vai "fabricar" algumas horas a mais de sol para os turistas.

“O objetivo final é a revitalização de toda a orla. Balneário Camboriú é um cartão postal internacional e com esse projeto buscamos dar mais dignidade para quem usa a praia”, disse o prefeito. “O sol será uma consequência, claro que vamos aumentar a praia que terá uma extensão de 70 metros e claro vai ter mais sol”, emendou Oliveira.

As obras iniciam em janeiro, mas a draga, que será trazida da Argentina, só vai começar o trabalho em março. A partir daí, serão quatro meses de trabalhos até a conclusão da primeira etapa, que vai retirar mais de 2 milhões de metros cúbicos do fundo do mar.

Em Florianópolis, capital do Estado, o alargamento da faixa de areia de Canasvieiras, que também foi ampliado em 40 metros, foram 350 mil metros cúbicos de areia utilizada e a obra custou R$ 10,5 milhões.

A obra em Balneário Camboriú também terá impacto direto nos empreendimento imobiliários da cidade que já tem o terceiro metro quadrado mais caro do país, com coberturas que podem chegar a R$ 15 milhões, segundo informou Altevir Baron, diretor de mercado e marketing da FG, que lidera o número de lançamentos no balneário.

“Neste ano, nós já tivemos crescimento bastante significativo, batendo nosso maior recorde com vendas e lançamento. Estamos nos preparando porque sabemos que será um sucesso em todos os níveis”, afirmou Baron.

Segundo ele, o mercado imobiliário de “alto e altíssimo padrão” está aquecido principalmente com a procura por público que vem do Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo. Segundo Baron, o ticket médio do setor imobiliário na Praia Central é de R$ 5 a R$ 6 milhões e que acabará sendo valorizado com a conclusão da obra.

A segunda etapa do projeto, que ainda não foi lançada e cujo orçamento também não foi divulgado, vai contemplar a revitalização da orla com construção de quiosques e ciclofaixa. Segundo o prefeito Fabrício Oliveiro, parte dos recursos da obra virão de com “da venda de outorgas da construção civil e índices de construção”.

Como a obra propriamente dita deve ser realizada entre abril e julho, mês da tradicional pesca da tainha, segundo consta no estudo ambiental aprovado pelo IMA, durante o período a sugestão é de que “os pescadores afetados sejam envolvidos em outras atividades, inclusive junto às obras de alimentação artificial da Praia Central”.

O projeto de alargamento da orla chegou a ser contratado em 2006, mas o acordo foi rompido por questões políticas. Em 2011, uma nova licitação foi autorizada pelo prefeito Edson Renato Dias e, em julho de 2012, foi homologado o Consórcio ACQUAPLAN-PROSUL como vencedor do certame. A obra será executada por empresa norueguesa que já fez dragagem em portos catarinenses.

Como base para o projeto, o município utilizou um plebiscito que foi realizado em 2001. Desde então, não foram realizadas novas consultas públicas ou audiências para debater o assunto.

Os relatórios de balneabilidade do mesmo IMA que liberou a licença para o alargamento da praia nesta sexta-feira mostram que no ponto que fica mais próximo da foz do Rio Camboriú, em praticamente 50% das análises, a qualidade da água estava imprópria para banho.

Atualmente, o IMA faz análise da qualidade da água em 10 pontos da praia que será alargada. Todos eles, em algum momento, apresentaram qualidade imprópria para banho. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.