Sem-terra invadem usina e sede do Incra

Em mais uma ação do "abril vermelho", cerca de 250 integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) invadiram ontem as instalações da usina Capital, em Nuporanga, região de Franca (SP). Os sem-terra montaram acampamento numa área plantada com cana-de-açúcar. É a sexta propriedade rural invadida esta semana no interior de São Paulo.

JOSÉ MARIA TOMAZELA E ANGELA LACERDA, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2010 | 00h00

De acordo com a coordenação estadual do MST, a usina está abandonada e os canaviais são antigos e passaram do ponto de corte. Um advogado dos proprietários acionou a Polícia Militar e registrou a invasão. Outras cinco áreas permaneciam invadidas até a tarde de ontem.

Recife. Ontem pela manhã, cerca de 400 pessoas ligadas ao MST ocuparam o pátio da sede do Incra, no Recife. O grupo informou que pretende permanecer no local até sexta-feira, além de promover protesto, marchas e mobilizações. Desde o domingo passado até a noite de sexta-feira, o MST promoveu 23 ocupações de terra em todo o Estado.

"Não estamos satisfeitos", afirmou o diretor do MST em Petrolina, Reginaldo Martins da Silva. "No governo Lula as portas foram abertas, ficou tudo amigável, mas o seu mandato está chegando ao fim sem passos concretos". Segundo ele, no ano passado, apenas 70 famílias foram assentadas em Pernambuco, Estado que tem 14 mil acampados sem-terra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.