Sem-terra pedem prazo para deixar fazenda em Alambari

Na iminência de serem despejados pela Polícia Militar, os sem-terra que invadiram a Fazenda Santa Isabel, em Alambari, na região de Sorocaba, 100 quilômetros a oeste de São Paulo, vão pedir nesta terça-feira ao secretário da Justiça e Defesa da Cidadania, Alexandre de Moraes, mais prazo para a desocupação.Representantes dos acampados participam de encontro que Moraes vai manter, às 11 horas, com lideranças do Movimento dos Sem-Terra (MST). No evento, que terá a participação do superintendente regional do Instituto Nacional deColonização e Reforma Agrária (Incra), Raimundo Pires da Silva, serão discutidas as recentes ações do MST no Estado e o assentamento de famílias no município de Iaras.Os líderes do acampamento Pátria Livre, instalado na Santa Isabel, pretendem apresentar uma pauta de reivindicações. "O que nos interessa de fato é ficar mais tempo na área que ocupamos", disse o coordenador do acampamento, William Silva deAlmeida. Segundo ele, as 400 famílias não têm para onde ir. "Ou ficamos ondeestamos, ou nos oferecem outra área."A fazenda foi invadida no dia 1º, mas a liminar dereintegração de posse, concedida na semana passada pelo juiz de Itapetininga, RonnieHerbert Barros Soares, ainda não foi executada pela Polícia Militar. Por questões estratégicas, a PM não informa quando fará o despejo.O advogado da Santa Isabel, Maurício Bley, disse que não vai aceitar dilação no prazo. "Se houver mais demora, vamos cobrar explicações."

Agencia Estado,

10 de março de 2003 | 18h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.