Sem-teto deixam prédio e acampam no centro de Salvador

Cerca de 40 famílias do Movimento dos Sem-Teto de Salvador (MSTS) expulsas por ordem judicial de um prédio do INSS no início da semana decidiram acampar na Praça da Sé, um dos cartões postais da cidade, para pressionar as autoridades a lhes arrumarem um teto. Na noite de quarta-feira, depois de passarem todo o dia em colchonetes e papelões espalhados no piso de granito nas imediações do monumento da antiga Igreja da Sé (construída em 1552 e demolida em 1933), os sem-teto conseguiram dormir num motel barato do centro, graças às doações, inclusive do secretario municipal de Habitação Fernando Medrado. Hoje, contudo, já estavam de volta à Praça de Sé.Um dos coordenadores do MSTS, Idelmário Proença, tenta negociar uma solução há dias com a prefeitura e o governo estadual. Ele planeja invadir outros prédios públicos abandonados, mas afirma que enquanto nada se resolve eles ficarão acampados no centro. Segundo ele, as autoridades prometeram alugar nesta sexta-feira, por três meses, algumas casas para alojar as 40 famílias até o anúncio de construção de conjunto habitacional no bairro de Valéria, na periferia, reivindicado pelo movimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.