Sem-teto derrubam muro de universidade no CE

Segundo a UFC, a ação resultou na derrubada de 600 metros de muro no campus da UFC

Carmen Pompeu, do Estado de São Paulo

29 de abril de 2008 | 16h00

O grupo de 1.500 sem-teto que desde a semana passada ocupa um terreno da Universidade Federal do Ceará (UFC), no Campus do Pici, decidiu expandir o território. Durante a madrugada desta terça-feira (29), eles derrubaram mais um muro da Universidade. Desta vez, numa área próxima à sede da Embrapa Agroindústria Tropical, que fica no mesmo campus. A primeira invasão aconteceu quinta-feira (24) da semana passada. De acordo com nota da UFC divulgada hoje (29), a ação foi violenta e resultou na derrubada de 600 metros do muro que circunda a área próxima ao complexo esportivo. Na manhã de sexta-feira, 25, o reitor em exercício, Jesualdo Farias, enviou ofício à Procuradoria Federal no Ceará, informando sobre a invasão e solicitando que fossem tomadas as providências judiciais cabíveis. A Procuradoria, por sua vez, ajuizou pedido de reintegração de posse, deferido no mesmo dia pela Justiça. Ainda segundo a administração da UFC, indiferentes à ordem judicial, que estabelecia um prazo de 72 horas para a desocupação, na noite de ontem (28), os sem-teto radicalizaram sua posição, derrubando mais 600 metros de muros e ampliando a área ocupada. "Na ação, tiros foram disparados, enquanto o cenário era iluminado pelos faróis dos carros e motos dos líderes do movimento", informou a instituição. Temendo pela segurança dos membros da comunidade universitária, a administração teve que suspender as atividades no complexo esportivo. Também foram suspensas as atividades de um programa de extensão universitária, que prestava atendimento a 4.500 famílias de uma comunidade residente nos arredores do campus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.