Sem-teto mantêm três invasões em São Paulo

O movimento dos sem teto iniciou na noite de terça-feira, 10, uma série de invasões a imóveis e terrenos da capital paulista e de cidades da Grande São Paulo. Ao todo, foram quatro invasões e duas tentativas. Os sem-teto conseguiram ocupar um prédio no centro da capital, dois em Caieiras e um terreno em Sapopemba. Integrantes do movimento também montaram acampamento diante da Caixa Econômica Federal, da Praça da Sé, e devem fazer um protesto nesta manhã. As invasões de um prédio da Rua Cásper Líbero e de outro na Avenida Rangel Pestana foram frustradas pela polícia. Um grupo de 200 pessoas invadiu, por volta das 23h43 da terça-feira, um prédio abandonado do extinto Banco Nacional da Habitação (BNH) na Rua João Guimarães Rosa, próximo à Praça Roosevelt, no centro de São Paulo. A polícia retirou os sem-teto por volta da uma hora de quarta-feira. Os integrantes do movimento saíram pacificamente. Em Caieiras, 150 pessoas ocuparam dois prédios particulares de cinco andares ainda em obras, na Grande São Paulo. O grupo tem principalmente mulheres adultas, algumas crianças e idosos. A polícia chegou a ir até o local, mas só poderia tirar os ocupantes se tivesse uma ordem judicial. O coordenador-geral da União dos Movimento dos Sem-teto da Grande São Paulo e Interior (UNM), José de Abraão, disse que o objetivo é negociar a compra dos dois prédios com os proprietários. "Queremos ver se há possibilidade de venda para transformarmos os apartamentos em moradia popular", afirmou. Em Sapopemba, cerca de 300 pessoas ocuparam um terreno próximo a Avenida Rodolfo Pirani, no Parque São Rafael, por volta das 23h45 da terça-feira. De acordo com a líder desta ocupação, Lucimara Santos, na época da administração da Marta Suplicy, foi assinado um convênio para que fossem construídas moradias populares neste terreno. A atual administração diz que a área está contaminada por ser próxima a um depósito de lixo. Invasões frustradas Cerca de 50 pessoas tentaram sem sucesso invadir um prédio da Secretária do Patrimônio da União na Rua Cásper Libero esquina com a Rua Coronel Batista. Por alguns minutos, o grupo tentou arrombar a porta do edifício. A polícia chegou ao local e impediu a ocupação. Depois, o grupo seguiu para o edifício São Vito e para a Praça da Sé. A tentativa de invasão de um terreno do INSS na Rangel Pestana foi a mais mal sucedida das ações sem-teto. Os cerca de 200 manifestantes chegaram no local depois das 23h, mas a Polícia Militar já estava no local. Os policiais formaram um cordão humano na calçada e os manifestantes não tiveram como agir. Os sem-teto abriram faixa e bandeiras. Por volta da uma hora, eles cantaram o hino nacional e seguiram para a Praça da Sé. Uma viatura policial escoltou a passeata.

Agencia Estado,

11 Abril 2007 | 07h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.