Sem-teto voltam a morar embaixo de viadutos em São Paulo

Alguns dos sem-teto retirados dos viadutos Santo Amaro e dos Bandeirantes, na zona sul de São Paulo, que ganharam novo endereço desde o último dia 13, voltaram para baixo das pontes. Mas, segundo a Administração Regional de Santo Amaro, eles não devem permanecer por muito tempo, pois há projetos para fechar a área com grades e instalar barracas de frutas e flores, com funcionamento 24 horas.A carroceira Deolinda Inácio Silva, de 38 anos, voltou a montar a casa sob o viaduto Santo Amaro, no bairro Parque Santo Antônio, onde mora há dez anos, um dia depois de ver sua nova casa no Jardim Irene, no Capão Redondo, zona sul. ?A Prefeitura me mandou para uma casa pequena demais. Não havia chuveiro e nem lâmpadas.? Ela disse que só sairá do vão do viaduto quando a Prefeitura oferecer uma casa maior.A AR-Santo Amaro informou que deixou os moradores ficarem embaixo do viaduto, pois no Natal eles ganham presentes dos moradores da região, mas garantiu que, a partir desta sexta-feira, a fiscalização começará a retirar os sem-teto.Ao contrário de Deolinda, o motorista Osmar Aparecido da Silva, de 41 anos, que também foi retirado do viaduto Santo Amaro, ficou na casa. ?Gostei do novo endereço, mas quero que a Prefeitura cumpra a promessa de providenciar água e luz.?Três famílias, que já foram retiradas do viaduto dos Bandeirantes mais de três vezes só este ano, também voltaram para o local. ?Os policiais tiram minha família daqui, mas nunca me ofereceram nenhum local para morar. Tenho de sair de uma ponte e ir para outra?, afirmou o ajudante geral Roberto Francisco de Santana, de 21 anos, que mora há três anos no viaduto com o sogro, a mulher e o filho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.