Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

Sem UTI, 14 pacientes morreram à espera de transferência no interior do AM em janeiro

Levantamento é da Defensoria Pública; doentes precisavam ser encaminhados para Manaus ou outros Estados

Liege Albuquerque e Vinícius Lima, Especiais para o Estadão

29 de janeiro de 2021 | 09h02

MANAUS - Quatro pacientes em estado grave da covid-19 internados no hospital de Tefé, município a 522 quilômetros de Manaus, morreram na terça-feira, 26, à espera de transferência para a capital ou outros Estados. Desde o início de janeiro, em levantamento da Defensoria Pública do Médio Solimões (que abrange, além de Tefé, as cidades de Uarini, Maraã, Fonte Boa, Jutaí, Juruá e Japurá) já morreram 14 pessoas à espera de transferência. Os sete municípios, como todos os 61 do interior do Amazonas, não têm sequer um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Todos os pacientes foram objeto de ação civil pública da Defensoria do Médio Solimões. A Justiça concedeu a liminar, mas o Estado do Amazonas tem recorrido. O argumento tem sido não a ausência de direito à remoção, mas o risco de “afetar a organização financeira e social do orçamento”.

A reportagem pediu ao governo do Estado levantamento sobre o total de pedidos de transferência de pacientes da covid do interior para Manaus ou outros Estados e quantos foram efetivados, mas não obteve resposta. Segundo comunicado à reportagem, até essa quinta-feira, 28, foram transferidos de Manaus 296 pacientes.

“As transferências que estão sendo feitas de Manaus são de pacientes que não estão tão graves como os do interior, que não tem nenhum leito de UTI. As transferências têm sido de pacientes moderados, assim não vai desafogar nunca a fila dos graves do interior, que estão ficando para trás e morrendo, mesmo com decisões judiciais favoráveis às transferências”, afirmou o defensor público Lucas Matos, um dos quatro que assinam as ações civis públicas de tentativas de transferência de pacientes do interior em estado grave. Além de Lucas, subscrevem as defensoras Márcia Mileni Fontelles, Thais Correa e Carine Possidônio.

Na ação mais recente, diz o texto: “Não há igualdade material entre pacientes do interior e da capital, especialmente quando vem sendo sucessivamente negada a transferência aos pacientes do interior", aponta. 

Cidade reporta sete óbitos por falta de oxigênio

Em Coari, distante 362 km de Manaus, outra ação da Defensoria garantiu nessa quinta uma liminar para que cinco pacientes internados no Hospital Regional de Coari fossem transferidos para Manaus ou para outro Estado, mas nenhum havia sido transferido até a tarde dessa quinta. Quatro dos pacientes estão entubados em leitos improvisados de UTI no hospital. A prefeitura do município, por meio de nota, afirma que os pacientes estão cadastrados no Sistema de Transferências de Emergências Reguladas (Sister) e necessitam de cuidados intensivos e estão classificados na “cor vermelha, que é o máximo de gravidade”.

No dia 19, segundo a prefeitura de Coari, sete pacientes internados morreram por falta de oxigênio. Segundo a nota publicada por meio da Secretaria Municipal de Saúde, estava prevista a chegada de 40 cilindros do insumo do governo do Estado, o que não aconteceu por falha de planejamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.