Senado pagou supersalários a 464 servidores em 2009, diz site

Congresso em Foco divulgou lista de quem recebeu acima do teto constitucional, com base em auditoria do TCU

, O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2011 | 00h00

BRASÍLIA

O site Congresso em Foco divulgou ontem a relação dos 464 servidores do Senado que, em 2009, recebiam salários acima do teto constitucional, que é a remuneração dos ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Na época, o teto salarial do funcionalismo era de R$ 24,5 mil. Hoje, esse limite é de R$ 26,7 mil.

A relação faz parte de uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), cujo resultado havia sido divulgado pelo Estado em novembro daquele ano.

De acordo com o site, os salários que em 2009 excediam o teto iam de R$ 24.500,47 a até quase R$ 46 mil em um único mês. Conforme os cálculos do Congresso em Foco, o valor pago acima do teto para os 464 servidores chega a R$ 850 mil por mês.

Estão na relação, por exemplo, a atual diretora-geral do Senado, Doriz Peixoto, com salário de R$ 27.215,65 na época, e o ex-diretor-geral Haroldo Feitosa Tajra, com R$ 27.538,62. Também é mencionado o diretor da Polícia Legislativa, Pedro Ricardo Araújo Carvalho, que recebia um salário R$ 24.969,74 há dois anos.

O ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia, pivô do escândalo dos atos secretos, não aparece na lista, mas sua mulher, Sânzia Maia, está na relação. Em 2009, ela recebia R$ 24.630,68.

Brecha. Uma decisão aprovada pela Mesa Diretora do Senado em outubro de 2005, sem alarde, autorizou a Secretaria de Recursos Humanos a não calcular a função comissionada - gratificação dada para o exercício de determinado cargo - para efeitos do teto constitucional.

Um bônus criado em 2003 para beneficiar os técnicos legislativos também não é considerado nessa conta. Essas manobras abriram brechas para servidores ganharem acima do teto.

Ontem, o Ministério Público Federal recorreu contra decisão do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região que liberou o pagamento de salários acima do teto do funcionalismo público a servidores do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.