Senador não quis comentar ação do MPE

O Estado procurou na sexta-feira e ontem as assessorias do senador Clésio Andrade (PR-MG) e da CNT, mas não houve retorno. A reportagem repassou por escrito a acusação de repasse indevido de recursos do Sest e Senat para os institutos e os pedidos feitos pelo Ministério Público Estadual na ação civil pública. Nenhum advogado foi indicado para falar sobre o assunto em nome dos requeridos.

, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2011 | 00h00

Lílian Carla de Souza não foi localizada pela reportagem. Na sede do Instituto João Alfredo Andrade, em Juatuba (MG), uma funcionária informou que o assunto seria tratado pela assessoria do senador.

Na ação, assinada por sete promotores, o MP afirma que, "diante da gravidade da situação", intimou o Clésio e Lílian Carla para que prestassem declarações na promotoria. O senador e presidente da CNT respondeu por ofício que nada poderia acrescentar e a diretora financeira negou-se a comparecer para ser ouvida. O MP observa também que o Sest e o Senat e as instituições beneficiárias "negaram-se a prestar esclarecimentos a respeito do uso de recursos públicos e, notadamente, sobre a aplicação dos repasses" nas atividades das entidades envolvidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.