Senador prefere não se pronunciar sobre Magela

Por meio de sua assessoria de imprensa, o senador Romero Jucá (PMDB) declarou que ele não se pronunciaria sobre as denúncias porque elas foram feitas pelo lobista Geraldo Magela, com quem tem desavenças e disputa na Justiça,

, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2010 | 00h00

O advogado de Rodrigo Jucá, Emerson Gomes, afirmou que desconhece a investigação do Ministério Público Estadual, porque seu cliente não teria sido notificado até hoje. Gomes, que também aparece como "consultor jurídico" da fundação junto ao Ministério das Comunicações, sustenta que a transferência da TV Caburaí/Band para a empresa de Rodrigo foi legal.

O advogado reconhece a existência das dívidas reclamadas por Magela, mas afirma que foram negociadas junto aos órgãos federais, tendo sido parceladas em 15 anos. Ele acusa o lobista Geraldo Magela de procurar a imprensa para "ganhar notoriedade" e de tentar "atrelar o senador Jucá" ao seu passado no comando da emissora para "obter vantagem financeira".

Ontem, o Estado publicou uma reportagem mostrando a extensão do poder de Jucá em Roraima, onde controla diversos órgãos do Estado - como a Funasa, na área de saúde, e a Companhia de Desenvolvimento de Roraima (Codesaima), uma autarquia na área de infraestrutura que empregou 80 pessoas em cargo de comissão em abril.

O senador também usou a sua influência na política local para ajudar a eleger e nomear parentes. A ex-mulher e ex-prefeita de Boa Vista, Teresa Jucá, foi eleita deputada federal, o filho Rodrigo Jucá, deputado estadual. A filha de Teresa, Luciana Surita, comanda a Femact, uma fundação ligada ao governo estadual. E até a ex-sogra de Romero Jucá, Aurélia Saens Surita, de 78 anos, foi empossada na Codesaima como "assessora de diretoria".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.