'Senti a pulsação no peito dele', diz integrante do AfroReggae

Para coordenador de percussão, policial acusado de omitir socorro não agiu de má-fé; 'houve má informação'

Central de Notícias,

23 de outubro de 2009 | 16h49

O coordenador de percussão do AfroReggae, Anderson Elias dos Santos, afirmou na tarde desta sexta-feira, 23, em entrevista coletiva que sentiu o coração de Evandro da Silva bater quando chegou ao local do crime, após receber uma ligação informando sobre o assalto ao amigo. Ele disse que percebeu sinais vitais no corpo do coordenador Social do grupo.

 

Veja também:

linkNenhuma hipótese será descartada no caso AfroReggae, diz PM

linkRelações Públicas da Polícia Militar do Rio é exonerado

link'A perda de um guerreiro como Evandro não nos desanimará'

linkPMs do caso cumprem prisão administrativa

linkPolícia do Rio admite erro na morte de coordenador

 

"Um policial disse que aquilo era normal, por causa da reação do corpo, por conta do sangue. Não posso afirmar que ele estava vivo, mas senti a pulsação no peito dele", declarou ele.

 

Segundo Santos, o policial disse que, como a vítima estava morta, não havia chamado uma ambulância. "A sensação no momento foi de total incapacidade, de não poder salvar meu amigo." Ao ser questionado se acreditava que o policial agiu de má-fé, ele respondeu: "Houve má informação, acho que ele não verificou e me passou a informação errada."

Tudo o que sabemos sobre:
AfroReggaeRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.