AP Photo/Eraldo Peres
AP Photo/Eraldo Peres

Corpo de Marília Mendonça é sepultado após velório e cortejo que reuniram multidão

Cerimônias foram marcadas pela presença de fãs, familiares e amigos artistas da cantora; duplas Maiara e Maraísa e Henrique e Juliano acompanharam o corpo da artista de cima do caminhão do Corpo de Bombeiros

Gabriela Macêdo, especial para o Estado

06 de novembro de 2021 | 14h04
Atualizado 07 de novembro de 2021 | 00h13

Os corpos de Marília Mendonça e Abicieli Silveira Dias Filho, tio e assessor da cantora, foram sepultados no cemitério Parque Memorial de Goiânia, às 19h20 deste sábado, 6, após um cortejo que percorreu o município por cerca de uma hora e meia. A cerimônia de despedida da cantora, morta em um acidente de avião na sexta-feira, 5, reuniu artistas, fãs e parentes e foi marcada por lágrimas e música.

Apesar de reservado unicamente à família e amigos mais próximos, fãs e admiradores da artista lotaram a entrada do cemitério para prestarem suas últimas homenagens. Durante o cortejo até o local, os fãs da cantora seguiram os caminhões do Corpo de Bombeiros, que transportaram os corpos ao sepultamento, das mais diversas formas: de carro, bicicletas e até a pé, de modo que o trânsito no caminho até o local se manteve lento ao longo da tarde.

O cortejo chegou a parar no caminho para que alguns admiradores, prostrados em cima de um viaduto que corta a rodovia GO-020, se despedissem mais uma vez de Marília Mendonça. Os fãs da cantora também se arriscaram na tentativa de atravessar andando a rodovia em frente ao cemitério - a esperança era avistar os caixões entrando no local. As duplas Maiara e Maraísa e Henrique e Juliano estiveram em cima do veículo que carregava os corpos de Marília e do tio durante todo o trajeto.

O cortejo saiu do ginásio Goiânia Arena por volta das 17 horas, após um velório marcado pela presença de fãs, familiares e amigos artistas da cantora. Os portões da arena foram abertos ao público, que formava enormes filas do lado de fora para prestar uma última homenagem à artista. O município declarou luto oficial de três dias, em homenagem à cantora. 

No velório, o primeiro momento, logo após a acomodação dos caixões, foi destinado aos familiares, amigos e artistas, como Maiara e Maraísa, Luisa Sonza, Henrique e Juliano, Naira Azevedo, Jorge (da dupla Jorge e Matheus), a dupla Mateus e Kauan, e João Neto e Frederico,  que se despediram da "Rainha da Sofrência", como ela era conhecida em todo o País.

Após o fechamento dos portões, Marília foi homenageada pelos amigos com música. Henrique e Juliano cantaram o sucesso "Obrigado Deus" e, na sequência, Maiara e Maraísa também apresentaram uma versão de "Alívio", de Jésse Aguiar. O filho de Marília Mendonça, Léo, de apenas um ano e seis meses, não participou da cerimônia.  

O espaço do velório foi decorado com mais de 60 coroas de flores enviadas por amigos e familiares. Um dos momentos de maior emoção do velório ocorreu às 15 horas. Neste horário, a banda da cantora chegou ao local. A equipe se encontrava em Caratinga, para a realização do show de Marília, previsto para a noite de sexta. Ao entrarem no ginásio, os integrantes da banda foram recepcionados com música. Houve aplausos e emoção. Muitos fãs, ao deixar o ginásio, se reuniram e passaram a cantar sucessos de Marília. 

Autoridades, como o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), marcaram presença no local. O ex-marido de Marília, Murilo Huff, também compareceu ao velório.

Despedidas

Mais cedo, mesmo antes de os portões se abrirem, em frente ao ginásio Goiânia Arena, admiradores choravam e entoavam as canções compostas por Marília Mendonça. Eduardo de Sousa, de 17 anos, encontrou amigos, também fãs da cantora. O choque, para todos eles, ainda não tinha passado. "Marília estava comigo todos os dias. Como vou de bicicleta para o trabalho, costumava colocar as músicas dela durante o trajeto. Ela estava no auge da carreira. Na primeira vez que vi a notícia da morte, não acreditei. A dor foi como se fosse um parente meu", lamentou o jovem.

Com bandeiras do Brasil, vendidas no local, penduradas nas costas como uma capa, fãs tentavam demonstrar o papel que Marilia Mendonça desempenhou na música brasileira. "Ela representa o Brasil. Já esteve em todos os Estados e nos representou no Grammy Latino", disse Bia Duarte, de 15 anos, que encontrou o amigo Eduardo no local.

Os admiradores conversavam sobre o impacto da cantora em suas vidas. Com 34 anos, Camila Ribeiro relatou que, desde que soube do acidente, não conseguiu conter as lágrimas. Sentada em frente ao Goiânia Arena, não foi diferente. "A única coisa que consigo dizer é que cada música dela representa uma fase diferente de minha vida", desabafou.

A previsão publicada nas redes sociais pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), era de que mais de 100 mil pessoas passassem pelo Goiânia Arena para se despedir de Marília Mendonça. Procurada pela reportagem, a Polícia Militar do Estado de Goiás (PM-GO) não deu nova estimativa sobre a quantidade de pessoas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.