Seqüestrador de ônibus em Jundiaí tem ficha de 100 páginas na polícia

A Polícia de Jundiaí descobriu que um dos seqüestradores que manteve 25 pessoas como reféns, no ônibus que seguia de Bragança Paulista para o Paraguai, na última quinta-feira, durante cinco horas, deu nome falso. O acusado Marcos Alves de Araújo, de 38 anos, havia decorado todos os dados da identidade do eletricista Sílvio César Fonseca da Assunção, também morador do município. O verdadeiro Sílvio foi até a Delegacia de Jundiaí comunicar que seu RG havia sido furtado há um ano. Com as impressões digitais, a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) descobriu que Marcos é condenado até 2054, por roubos, homicídios, latrocínios, furtos e tráfico de drogas. O delegado Seccional, Paulo Bicudo, informa que a ficha na Divisão de Vigilância e Captura (DVC) do seqüestrador tem mais de 100 páginas. "Ele é perigosíssimo", comentou. Marcos foi preso com uma metralhadora e um fuzil, no dia do roubo ao ônibus de turistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.