Seqüestrador desmaia ao ser reconhecido por vítima, em MG

Depois de passar quase 12 horas em poder de dois seqüestradores, o médico da filial do Banco Central em Belo Horizonte, Wellington Amâncio, foi libertado pelo Grupo de Ações Tático-Especiais (Gate), da Polícia Militar, no início da tarde de hoje. O médico foi surpreendido pelos seqüestradores no início da madrugada, quando chegava sozinho a sua casa, no bairro São Bento, na zona sul da capital mineira. Um dos seqüestradores foi preso e desmaiou ao ser reconhecido pelo médico. O outro continua foragido.O médico foi surpreendido pelos dois homens por volta da 0h30 da quinta-feira, quando parou seu carro para entrar na garagem. Os seqüestradores tomaram a direção do veículo e obrigaram o médico a revelar o número de telefone de seus familiares. Com os números nas mãos, os seqüestradores passaram a ligar para parentes de Amâncio, pedindo R$ 50 mil para o resgate. A família acionou a polícia.Depois de seguirem para o condomínio Solar da Madeira, em Contagem, onde passaram a noite, os seqüestradores obrigaram o médico a entrar dentro do porta-malas de seu próprio carro. A polícia encontrou o carro do médico por volta das 14h, perto do condomínio. Ao perceberem a chegada da polícia, os seqüestradores abandonaram Amâncio dentro do veículo e fugiram para uma mata próxima à lagoa em Várzea das Flores, .Na fuga, um dos seqüestradores teve um corte profundo no pé e procurou socorro no hospital JK, em Contagem. Porém, por volta das 15h, foi abordado por um policial que fazia plantão no hospital. De acordo com a polícia, logo após ser preso e reconhecido pelo médico, o seqüestrador desmaiou, permanecendo no hospital para observação. A identidade dos criminosos não foi revelada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.