Seqüestrador quer R$ 500 mil e helicóptero

O seqüestrador que mantém um grupo de pessoas como reféns em um microônibus que serve de táxilotação em Porto Alegre, afirmou por telefone celular, em entrevista gravada pelo repórter Carlos Wagner, do jornal Zero Hora, que está exigindo da polícia R$ 500 mil e um helicóptero para fugir. "Eu quero dinheiro, só isso, mais nada. Não quero ferir nem matar ninguém. Quero que entendam que o que eu estoufazendo é por amor aonde eu estou, aonde eu moro, que o Olívio (governador Olívio Dutra) entenda isso", disse chorando o seqüestrador, identificado como Paulo Ricardo da Silva D´Avila,de 30 anos. De acordo com o sequestrador, ele não tem antecedentes criminais e entrou no lotação propositalmente para fazer reféns e tentar obter algum resgate. "Eu estou querendo uma vida melhor para minha família." Segundo Paulo, ele estariaportando uma bomba e se preparou durante três meses para o sequestro, estudando eletrônica Paulo também afirmou que não tem antecedentes criminais.EntrevistaA gravação da entrevista com o seqüestrador foi feita pelo repórter Carlos Wagner, que conseguiu ligar para o telefone de uma das reféns dolotação. Leia abaixo alguns trechos da conversa. - "Estou me mantendo calmo, porque a bomba são (sic)cinco segundos programada a partir da cargueta." - "Faz uns três meses. Comecei a estudar eletrônica para fazer isso aqui." - "Estou pensando em dar uma vida melhor para minha família." (chorando) - "Não tenho nenhuma passagem (na polícia). Eu sou trabalhador, não sou vagabundo. Eu só fiz isso porque eu quero dinheiro e helicóptero paraminha fuga." - ?Eu sei que R$ 500 mil é pouco para o que está acontecendo aqui em volta, é uma mixaria para eles. Por que não querem negociar comigo? Só quero dinheiro, mais nada. Não quero matar ninguém, não quero ferir ninguém, não sou bandido." - "Eu sei que tem (sic) vários pais que são trabalhador (sic) e também não tiveramuma bala para dar no Natal para os seus filhos. É o que está acontecendo comigo. Eu quero dinheiro, só isso (chorando).?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.