Seqüestradores de Olivetto podem dar entrevistas

Os seis seqüestradores chilenos do publicitário Washington Olivetto estão liberados para dar entrevistas, segundo sentença da juíza Kenarik Boujikian Felippe, da 19ª Vara Criminal. Eles estavam proibidos de dar declarações à imprensa, por determinação do Ministério Público e do próprio Olivetto. A sentença, divulgada somente hoje, é do dia 16 deste mês. No dia anterior, ela havia condenado os criminosos a 16 anos de prisão por extorsão mediante seqüestro - mas absolveu-os das acusações de formação de quadrilha e tortura, além de deixar de reconhecer o caráter hediondo do crime. Essa circunstância possibilita aos condenados requererem regime prisional semi-aberto, em colônia agrícola, após cumprirem apenas três anos em regime fechado. Por ocasião da denúncia contra os seqüestradores, o Ministério Público requereu, em nome do interesse social, que eles fossem proibidos de dar entrevistas - o que foi indeferido pela juíza. Posteriormente, jornalistas pediram autorização para entrevistar os réus, que foram consultados e concordaram. Diante disso, a juiza autorizou o pedido. O Ministério Público e o próprio Washington Olivetto, na qualidade de assistente da acusação, pediram à juíza que reconsiderasse a decisão, mas ela optou por manter.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.