Seqüestradores obrigam vítima a saltar de ponte

Vítima de seqüestro relâmpago, o terapeuta Antônio Carlos Perrone, de 48 anos, foi obrigado por assaltantes a se jogar na Represa Billings de uma ponte de 15 metros de altura ontem de manhã. Ele não sabe nadar. "Na hora me debati. Mas busquei o equilíbrio, pois sou técnico acupunturista. Fiquei boiando e mexendo as mãos de um lado para o outro", descreve. Segundo ele, os criminosos fugiram sem levar nada. "Nervoso, esqueci a senha dos cartões."Perrone foi abordado às 7h10 por dois homens - um deles, armado - no semáforo da Avenida João Firmino, em São Bernardo do Campo. Ele estava num Corsa Classic. A dupla ordenou que Perrone fosse para o porta-malas. Trancado, o terapeuta ligou pelo celular para uma de suas funcionárias, que acionou a Polícia Militar. Na Rodovia Anchieta, os assaltantes abriram o porta-malas e exigiram que o terapeuta dirigisse no sentido Baixada Santista. Eles pegaram sua carteira e pediram as senhas de vários cartões. Perrone não lembrou os códigos, o que irritou a dupla, que acabou fazendo o terapeuta pegar um retorno para a capital. Ao chegar ao km 34, em Rio Grande da Serra, os assaltantes mandaram Perrone estacionar sobre a ponte e mandaram ele se atirar. Perrone foi resgatado com ajuda do helicóptero Águia da PM. O carro foi localizado perto da ponte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.