Seqüestradores são presos em São Bernardo

O que seria um simples assalto a umaresidência, no Bosque da Saúde, Zona Sul da capital paulista, acabou setransformando em um seqüestro atípico. Dois homens foram presosem São Bernardo do Campo e levados à DelegaciaAnti-Seqüestro (Deas). Eles afirmam que apenas foram encarregados deapanhar o dinheiro do resgate, que deveria ser entregue aovizinho de um deles. Levaram a polícia à casa do acusado, masele havia fugido.A polícia está mantendo em sigilo a identidade davítima para protegê-la. Sabe-se apenas que se trata de umaprofessora e que os criminosos invadiram sua residência, noBosque da Saúde. Como ela afirmasse não ter dinheiro nem jóiasem casa, eles levaram a filha como refém. Passaram, então, anegociar por telefone a libertação da menina. No inícioexigiam R$ 120 mil, mas cederam até uma quantia não reveladapela polícia, que acompanhou as negociações.A professora foi convincente ao telefone. A ponto de oscriminosos libertarem a refém, antes de receberem o resgate. Olocal marcado para a entrega do dinheiro foi um ponto da Rodoviados Imigrantes, em São Bernardo. Quando chegaram para apanhar o dinheiro,Diego da Silva Umbelino, de 18 anos, e Anderson Rodrigues dosSantos, de 23, foram supreendidos pelos policiais.Interrogados, afirmaram que foram contratados apenaspara aquela tarefa. Um diz que receberia R$ 50 e o outro R$ 200.Depois levaram os policiais à casa de Gerson Joaquim Miciano, de26 anos, que é vizinho de Diego, mas na casa não encontraramninguém. No local, porém, havia jóias, relógios, aparelhoscelulares pré-pagos, farta munição e aparelhoseletro-eletrônicos.A polícia não informa se a dupla foi reconhecida pelamenina. A preocupação agora é com a integridade física daprofessora e de sua filha, pois tanto Gerson quanto o restantede sua quadrilha conhecem tanto elas quanto seu endereço.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.