Seqüestradores soltam estudante em Jundiaí

O estudante Bruno Ribeiro da Silva, de 20 anos, morador em Itapecerica da Serra, foi libertado neste sábado, às 12 horas, no supermercado Carrefour da Via Anhangüera, em Jundiaí. Ele permaneceu durante 24 horas com três seqüestradores e uma outra refém, uma loira, de 20 anos, em um cativeiro na Grande São Paulo. O rapaz contou que só foi solto porque os bandidos conseguiram zerar sua conta corrente no banco, sacando R$ 2.500,00. Ele tinha escondido no bolso seu telefone celular e gastou a bateria falando com um sargento do 190, que passou a tranquilizá-lo. Quanto à garota, Bruno disse que ela chorava muito e implorava para ser solta. Porém, os bandidos queriam cobrar resgate de sua família.Bruno contou que caminhava em uma das praças do bairro dos Jardins, quando foi agarrado pelos três homens. "Eles devem ter me confundido com algum filho de ricaço da região. Havia muita gente na rua e ninguém fez nada. Eles me colocaram dentro do porta-malas do Tempra da garota". Durante as 24 horas que esteve em cativeiro, ele foi mantido em uma casa, com porão e de onde ouvia muito barulho da rua. Ao sair, foi novamente colocado no porta-malas e passou por uma estrada de terra, antes de entrar na Via Anhangüera.A delegada Jacqueline Makowski, do Plantão da Polícia Civil de Jundiaí passou comunicado para toda a rede da Polícia, com o objetivo de tentar prender os seqüestradores. A Polícia Militar informou que também avisou a Polícia Rodoviária, mas ninguém soube para onde foram os bandidos, que seguiram na Via Anhangüera na direção de Campinas. Esta semana, em Jundiaí, dois gerentes da Caixa Econômica Federal também foram seqüestrados e mantidos 24 horas como reféns, junto com dez familiares. Todos foram soltos com a chegada da Polícia e os bandidos conseguiram fugir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.