Sequestros relâmpago têm crescimento de 62,2% em um ano no Rio

Número de homicídios, no entanto, caíram na comparação entre 2010 e 2011, segundo dados do ISP

O Estado de S.Paulo,

07 Fevereiro 2012 | 20h47

RIO - Os Indicadores de Criminalidade em 2011 divulgados nesta terça-feira, 7, pelo governo do Rio apontam queda de 10% dos homicídios dolosos e aumento de 62,5% dos sequestros relâmpago no Estado em relação a 2010. No caso dos homicídios, a taxa por 100 mil habitantes ficou em 26,5, ante 29,8 em 2010.

Os autos de resistência (nome oficial para mortes em alegados confrontos com policiais) atingiram no ano passado a menor marca na gestão Sergio Cabral (PMDB). Foram 524 registros, ante 855 em 2010, uma redução de 38,7% - em 2007, primeiro ano da atual administração, foi registrado o maior número de mortes em supostos confrontos com policiais da série histórica disponível no Rio: 1.330.

"Com a estratégia da pacificação (de favelas, iniciada em dezembro de 2008), tivemos uma queda de mais 50% dos autos de resistência. O gráfico mostra nossa preocupação em diminuir a letalidade policial", disse o subsecretário de Planejamento e Integração Operacional, Roberto Sá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.