Ser ou parecer, eis a questão

Na novela Passione, Gerson é um personagem que tem um vício secreto e se trata com um terapeuta, interpretado não por um ator, mas por um terapeuta de verdade. O dr. Flávio Gikovate tem um sólido conceito profissional, mas como não é ator e nem tem técnica de interpretação, não está conseguindo convencer como ? o que realmente é: um terapeuta competente. Qualquer ator competente, sem entender nada de terapia, mas bem dirigido, seria mais convincente. Às vezes, a tentativa de dar "mais verdade" às cenas pode levar o público a acreditar menos.

Nelson Motta, O Estado de S.Paulo

08 Outubro 2010 | 00h00

Alguns profissionais vitoriosos em outras áreas têm também um talento natural para a interpretação. Entres eles, o diretor de cinema e publicidade Fernando Meirelles destaca Lula como o maior ator em atividade. Mesmo exagerando e sentimentalizando o seu personagem, Lula consegue convencer o público interpretando-o com emoção e eficiência. Pode-se gostar dele ou não, mas Lula raramente é canastrão. Mesmo quando finge acreditar em suas próprias mentiras.

Mas são casos raros, a maioria dos políticos, ao interpretar os seus próprios personagens, revela sua irremediável canastrice. Mas mesmo assim, e por outros meios, vão em frente e conseguem fazer carreira, apesar da canastrice. Como galãs ou vilões, canastrões têm sempre o seu lugar no cinema e na televisão, porque divertem as massas como caricaturas, e, por contraste, valorizam os atores de verdade. Canastrões fazem história, desde o bíblico Victor Mature de Sansão e Dalila ao caubói Ronald Reagan, que canastrava na tela, mas não como presidente dos Estados Unidos, seu melhor papel, que interpretou tão bem que se tornou um grande presidente de verdade.

Dilma e Serra podem ser bons gerentes, ministros ou presidentes, mas interpretando eles mesmos, com script dos marqueteiros, são dois canastrões. Os piores momentos são quando eles tentam parecer mais simpáticos, doces e afetuosos do que são. Pior, só se chorassem. Mas agora a novela acabou e começa o Big Brother.

Uma das vitórias de Marina foi expor essa canastrice, sendo e convencendo como intérprete - e autora - de si mesma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.