Serial killer alega ter sido vítima de abuso sexual

Durante o primeiro dia de julgamento daquele que é considerado o maior serial killer brasileiro, o mecânico Francisco das Chagas Rodrigues de Brito, de 42 anos, o réu, confessou ter matado Johnnatan Silva Vieira, em novembro de 2004, que, à época, tinha 15 anos. Chagas afirmou que assassinou o adolescente por asfixia, o que significa que mudou a versão apresentada à polícia na fase de investigação do caso, quando disse que o havia matado com uma pedrada. Ele também falou pela primeira vez sobre o que o teria levado a cometer assassinatos em série: diz ter sofrido abusos sexuais.O mecânico é acusado de ter matado 42 meninos, de 9 a 15 anos, entre 1991 e 2004, no caso dos ?meninos emasculados?. Trinta dos crimes ocorreram no Maranhão; 12, na cidade de Altamira, no Pará.Ao juiz, Chagas disse que aos sete anos havia sido violentado por um homem que identificou apenas como Carlito, empregado de sua avó. ?Quando via os meninos parecia que era o Carlito que estava na minha frente.? Segundo o promotor Samarone de Sousa Maia, o fato de ele ter sofrido abuso sexual na infância não mudará a maneira como o caso será conduzido. Chagas disse não se lembrar de como cometeu os crimes e chegou a negar vários aspectos que haviam sido admitidos por ele em depoimentos anteriores. O advogado de defesa, Erivelton Lago, centrará sua tese nos problemas de infância, como as surras que levava da avó, alegando a inimputabilidade do réu, o que permitiria a ele não ir para um presídio.As mães dos meninos emasculados acompanham o julgamento. ?Sei a dor que estou sentindo?, disse a ex-cozinheira Rita de Cássia Gomes da Silva, mãe de Johnnatan. A previsão é que o julgamento dure até três dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.