Serra diz esperar uma campanha de nível contra Dilma

Serra diz esperar uma campanha de nível contra Dilma

Na primeira vez em que comenta eleição em um ato de governo, pré-candidato do PSDB afirma que tem boa relação com a petista

Julia Duailibi e Elizabeth Lopes, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2010 | 00h00

O governador de São Paulo, José Serra, pré-candidato do PSDB à Presidência da República, disse ontem ter uma "boa" relação com a adversária Dilma Rousseff (PT) e que, portanto, espera uma "campanha de nível". Foi a primeira vez que, em ato de governo, o tucano se colocou abertamente na disputa e falou sobre a eleição presidencial deste ano.

"Minha expectativa é que tenha um bom nível. Candidato até agora não tem ninguém consagrado, mas tanto a Dilma quanto a Marina não pessoas de bom nível. Acho que vamos ter uma campanha de nível, com base em ideias, divergências, convergências, de bom nível. Vai ser uma boa campanha", declarou.

Um dia antes de apresentar carta de renúncia à Assembleia - Serra deixa o governo hoje para disputar o Palácio do Planalto -, o tucano resolveu visitar uma de suas principais vitrines sociais, a AME (Ambulatório Médico de Especialidades) da favela de Heliópolis, a maior da cidade. Chegou a citar o ambulatório como "o" exemplo do que fez no governo. Anteontem, em seu discurso de despedida, disse ter feito um "governo popular". Uma das estratégias dos tucanos para fazer frente à alta popularidade da administração Luiz Inácio Lula da Silva é destacar ações de Serra junto ao público de baixa renda.

O governador também estendeu sua avaliação sobre Dilma a Marina Silva, pré-candidata do PV. "Tenho uma relação pessoal com elas boa. Tenho certeza de que vamos fazer uma campanha de bom nível", disse o tucano.

Questionado sobre o pré-candidato do PSB, Ciro Gomes, cujo partido ainda não definiu se ele terá a legenda para disputar a eleição, completou: "Tem que ver se ele será mesmo candidato, mas, pelo meu lado, garanto que vamos tratar de maneira civilizada, se eu vier a ser candidato."

O governador recuou, então, da posição de candidato e disse, mais uma vez, que a campanha só começa em junho. "A única questão a partir de amanhã ou de sábado é a questão da Justiça Eleitoral, que vamos respeitar, como sempre fiz neste governo o tempo inteiro, a ponto até de, às vezes, exasperar jornalistas."

Para o tucano, "o Brasil vai ganhar nesta campanha, independentemente do resultado."

No programa Conversa com o Governador de ontem, Serra disse que sai do cargo melhor do que quando entrou. Falou também que está com um "sentimento contraditório". "Triste de deixar o governo e, ao mesmo tempo, alegre por ver que conseguimos fazer as coisas acontecerem no Estado de São Paulo", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.