Serra diz que aceitaria ajuda do Exército em São Paulo

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, José Serra, afirmou nesta segunda-feira, 7, que não vê problemas na ajuda das Forças Armadas em uma situação como a que o Estado está enfrentando, de sucessivos ataques da facção criminosa Primeiro Comando da Capital. Ao comentar os novos ataques, o tucano exemplificou: "Se o Exército puder ajudar. O secretário da Segurança (Saulo de Castro Abreu Filho) propôs que o Exército guardasse as muralhas das prisões e, com isso, liberaria muito PM para o trabalho de rua. Essa, por exemplo, é uma colaboração que poderia ser feita".Serra criticou a atuação do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na área da segurança. Segundo ele, o governo federal "está fazendo pouquíssimo no combate ao tráfico de drogas e de armas" e, além disso, comprimiu muito os recursos para a área da segurança em São Paulo, nos últimos anos. O tucano voltou a destacar a importância da realização de investimentos na melhoria dos serviços de inteligência e informação da polícia para o combate ao crime no Estado. "Estamos numa batalha e ela não acabou. Não há que se ter ilusões a esse respeito. Estamos enfrentando o crime organizado, que ainda não foi totalmente desmantelado. Já houve avanços, mas muito ainda precisa ser feito", ressaltou. As críticas foram feitas durante visita à Vila Brasilândia, na Zona Norte da Capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.