Serra diz que caos aéreo é problema de má gestão

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), afirmou nesta segunda-feira,26, não ter dúvida de que a crise nos aeroportos brasileiros é decorrente de um problema de gestão (das autoridades responsáveis, que são subordinadas ao governo federal). "Eu não tenho dúvida. Claro que é um problema de gestão, não acho que é um problema de dinheiro", argumentou.Além de criticar a gestão do setor aéreo brasileiro, Serra lamentou que o Estado (que possui dois dos principais aeroportos do País - Cumbica e Congonhas) não tenha ingerência neste setor. "Infelizmente, o Estado não tem ingerência nisso."O governador paulista disse que o que lhe espanta é como o caos aéreo aconteceu de uma hora para outra. "Em geral, quando há um problema, ele é gradual. Desta vez, foi tudo de repente, e parece realmente incrível que a situação ruim se mantenha ou piore."Para exemplificar o seu ponto de vista, Serra citou o caso do Aeroporto de Congonhas. "É estranho que se gastou tanto dinheiro para aumentar a obra civil no aeroporto, e não tenham dado preferência para arrumar a pista, que em dias de chuva fica com dificuldades." De acordo com determinação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), cada vez que a lâmina de água na pista principal de Congonhas fica superior a 3 milímetros, as operações nesta pista têm de ser paralisadas.Ao ser questionado sobre a CPI do Apagão Aéreo, o governador foi cauteloso. Ele lembrou que seu partido apresentou a proposta para o Congresso. "Mas não vou dar palpite na luta política do dia-a-dia (numa referência ao fato de a CPI ter sido derrubada em Plenário)." E continuou: "Sem dúvida, este foi e é um problema de gestão."Popularidade do tucanoJosé Serra não entrou em detalhes a respeito da pesquisa Datafolha que mostra que, no primeiro trimestre de sua administração, o índice de avaliação ótimo ou bom ficou em torno de 39%; de regular, 37%; e ruim ou péssimo, 16%. "O resultado é bom e eu fico feliz, mas ainda é muito cedo para se avaliar o governo. Não é uma avaliação sólida", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.