Serra diz ser difícil haver sobreviventes na cratera do metrô

O governador de São Paulo, José Serra, disse no início na noite deste domingo em entrevista coletiva que é difícil haver sobreviventes soterrados na cratera aberta após um desabamento na obra da Linha 4 do Metrô. "Quem estiver dentro será vítima. É pouco provável que haja pessoas vivas", disse Serra. No fim da tarde, os bombeiros conseguiram localizar o microônibus que foi tragado pela cratera. O governador visitou o túnel usado pelos bombeiros nas escavações e contou ter visto um vídeo mostrando um pedaço do veículo. Serra disse que, se confirmadas as mortes, será seguido o procedimento padrão em caso de indenizações para esses casos. Estariam no veículo pelo menos duas pessoas - o motorista e o cobrador - além de um número não confirmado de passageiros. Outras pessoas que estariam passando pela Rua Capri na hora do desabamento também estão sendo procuradas. Serra informou que os trabalhos de escavação para o resgate do microônibus serão retomados pela parte de cima do buraco. Os bombeiros visualizaram o veículo no final da tarde, por meio das buscas feitas na parte de baixo do local - interrompidas posteriormente após terem ocorrido dois novos deslizamentos de terra.De acordo com o governador, não deve haver novidades sobre o acidente neste domingo."Deve demorar mais algumas horas até que ocorra a retirada da van. Com os deslizamentos, o veículo foi novamente encoberto." Segundo ele, existem 30 bombeiros trabalhando no local durante todo o tempo, desde as 15h30 de sexta-feira. O governador informou também que há muito gás carbônico no local, que também está molhado em razão da proximidade de lençóis freáticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.