Serra e Dilma intensificam críticas

Sucessão. Presidenciáveis do PSDB e PT têm ajustado o discurso de acordo com a plateia, não apenas ao fazer promessas, mas ao relacionar o adversário a riscos de retrocessos sociais, econômicos e institucionais propagados como verdades absolutas por ambos

Julia Duailibi, Adriana Carranca, Anne Warth, Daniel Bramatti, Ana Paula Scinocca e Monica Bernardes, Especial Para o Estado, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2010 | 00h00

Apesar das promessas do PT e do PSDB de que campanha eleitoral não seria negativista, os presidenciáveis José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) têm pontuado discursos e entrevistas com ataques diretos e insinuações que relacionam os adversários a riscos de retrocessos sociais, econômicos e institucionais.

Ontem, Dilma acusou Serra de baixar o nível da campanha, além de estar por trás dos ataques promovidos por seu companheiro de chapa, Índio da Costa (DEM). Foi uma resposta à reprodução feita pelo tucano, em encontro com cerca de 400 empresários, de frase do líder dos sem-terra João Pedro Stédile, segundo a qual em caso de eventual vitória da petista haveria aumento das invasões no campo.

Os dois presidenciáveis têm ajustado o discurso de acordo com a plateia, não apenas ao fazer promessas, mas também ao relacionar o adversário a questões controversas.

O principal foco dos tucanos tem sido vincular o PT a supostos atos ilegais ou clandestinos, como invasões de terras, conexões com a guerrilha colombiana, loteamento do Estado e violação de sigilo fiscal. O vice de Serra, por exemplo, vinculou os petistas às Farc. Na segunda-feira, esse tema serviu para o próprio Serra investir contra a política externa de Lula e seu apoio ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez. "Até as árvores da floresta amazônica sabem que as Farc se abrigam na Venezuela", afirmou Serra, para quem Chávez é uma "ameaça" à paz regional.

Medo. Ontem no Recife, Dilma contra-atacou. "Vamos vencer o medo que eles tentam espalhar, com a competência, com o crescimento econômico, com o Bolsa-Família. Vamos vencer as ameaças de terror porque temos hoje um patrimônio que é de toda a população brasileira, que é o governo Lula", afirmou à noite.

Os petistas também não perdem a oportunidade de apontar nos adversários a intenção velada de desmontar o aparato social do governo Lula e de promover o retorno de práticas e políticas do governo Fernando Henrique Cardoso, como as privatizações.

Dilma repisou o tema ontem. "No passado, meus adversários deixaram a eleição passar para depois fazer o câmbio flutuar, provocando uma verdadeira pancada na economia nacional. Nós, não fizemos nem faremos nada do tipo. Temos uma posição clara, coerente."

[ ][/ ]A petista tem investido também em um suposto discurso duplo dos tucanos em relação ao principal programa social do governo. "Aqueles que dizem que não vão acabar com o Bolsa-Família são os mesmos que entraram no Supremo Tribunal Federal com uma ação de inconstitucionalidade contra nós, tentando derrubar justamente o Bolsa-Família", disse, no início do mês.

Serra, que no início do ano falava em "ampliar" e "aprimorar" o Bolsa-Família, prometeu dobrar o número de atendidos no dia seguinte ao discurso da adversária.

A ofensiva dos tucanos procura atribuir à campanha adversária uma suposta ausência de valores morais. Apontam no PT a intenção de limitar a liberdade de imprensa e dizem que o partido é contra os direitos humanos e a defesa das liberdades civis.

Para embasar o discurso, os tucanos citam frases do próprio presidente Lula, como comparação entre presos comuns e presos políticos de Cuba. Também usam como exemplo as diretrizes do programa de governo do PT, do qual a candidata recuou em relação a temas polêmicos.

Já Dilma descreve o principal rival como alguém que ameaça a continuidade de iniciativas do governo Lula, como a ampliação de recursos para a agricultura familiar e a concessão de subsídios para a moradia popular. "Ele (Serra) foi ministro duas vezes no governo FHC, e não vi um processo de desenvolvimento de inclusão social dos 190 milhões de brasileiros", disse a petista na quinta-feira, em sabatina promovida pelo portal R7 e pela Record News.

Venezuela. O embaixador da Venezuela no Brasil, Maximilien Arvelaiz, negou ontem que haja acampamentos permanentes de guerrilheiros, paramilitares ou narcotraficantes colombianos na Venezuela "que contem com autorização ou simpatia do governo" Chávez. E rebateu as acusações de envolvimento de seu país com as Farc. "A República Bolivariana da Venezuela rechaça tais denúncias."

CAMPO DE BATALHA

AS PRINCIPAIS ARMAS USADAS POR PETISTAS E TUCANOS

1 Mídia

Os tucanos acusam o PT de tentar limitar a liberdade de imprensa

2 Programas sociais

Os petistas tentam desqualificar as propostas do PSDB na área social

3 Farc

Tucanos apontam as ligações do PT com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia

4 Estagnação

O PT busca associar o governo Fernando Henrique com a estagnação econômica

5 MST

O PSDB diz que invasões cresceriam com Dilma. O PT acusa tucanos de não dialogar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.