Serra manda recados musicais

Serra manda recados musicais

No Twitter, citou ópera, que fala de 'homens que se creem deuses', e Caetano, com 'há de vingar'

Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2010 | 00h00

Agora ex-governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra disse via Twitter que tirou o primeiro fim de semana fora do cargo "para reorganizar a vida e voltar para casa". "Hora de parar tudo e acertar as coisas", afirmou. Mas, pelo que mostram seus outros tweets, sábado e domingo não serviram só para "se acertar", mas também para se inspirar.

A sensação, segundo Serra, é de "alea jacta est", ou seja, de que a sorte está lançada. Para aproveitar o momento, tudo indica que a arrumação pré-campanha foi embalada por ópera e MPB, com letras recheadas de indiretas para os adversários.

Aos seus 187 mil seguidores no Twitter, Serra postou links para letra e música de Mon Dieu, da ópera Moisés no Egito, de Gioacchino Rossini. Destacou o trecho Pitié pour notre terre, ou "tenha piedade de nossa terra".

A ópera é interpretada pela cantora grega Nana Mouskouri. Ela entoa: "Pardonne à l"insolence / Des hommes quand ils se croient des dieux". Em tradução livre, é um pedido a Deus que "perdoe a insolência dos homens que se creem deuses".

No dia seguinte, domingo, o tucano desejou feliz Páscoa com a música Amanhã, de Guilherme Arantes, interpretada por Caetano Veloso. Um dos trechos: "Amanhã / Redobrada a força / Pra cima que não cessa / Há de vingar".

As inspirações e bastidores de Serra nesse intervalo entre a saída do governo e o início da campanha, em julho, continuarão no Twitter. A estratégia é conhecida desde a eleição do presidente americano Barack Obama, em 2008.

Sobre questões do governo, o pré-candidato evitou comentários. "Agora, vocês devem enviar as mensagens envolvendo assuntos do governo de SP ao @governosp", avisou. Seus seguidores questionaram: vai deixar o Twitter? "Não vou abandonar", afirmou. "Talvez até possa entrar aqui mais vezes e de dia." /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.