Serra não comenta pesquisa e evita falar sobre Mercadante

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, José Serra, negou-se a comentar os números da pesquisa CNT/Sensus para presidente da República divulgada nesta terça-feira, que mantém a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva ainda no primeiro turno, bem como falar sobre a proposta de seu adversário, Aloizio Mercadante (PT), de implantar no Estado um Orçamento Participativo. Serra, que visita as cidades de Barretos, Olímpia e Bebedouro, no norte do Estado, admitiu, no entanto, participar de debates com seus adversários durante a campanha eleitoral. "Ainda não vi convite, mas estamos sempre dispostos a debater", disse o ex-prefeito da capital paulista.O candidato tucano comentou ainda a crise da segurança pública no Estado de São Paulo e prometeu acabar com todas as cadeias em delegacias durante seu mandato, caso seja eleito, estendendo para o interior a decisão já tomada durante o mandato do ex-governador Geraldo Alckmin. Serra prometeu ainda que irá separar os presos nas penitenciárias paulistas de acordo com o grau de periculosidade de cada um. "Nós temos que fazer uma seleção, agrupando os presos de acordo com a gravidade de seus crimes, juntando os mais perigosos com os perigosos", explicou Serra, que criticou a falta de recursos e de construção de presídios federais.Apesar de dizer que não iria falar sobre as ações de seus adversários, Serra criticou, em Olímpia, o candidato petista Aloizio Mercadante, responsável pelo intermédio das negociações entre produtores de laranja e a indústria processadora de suco de laranja, na renovação dos contratos. "O governo federal está fazendo corpo mole, e é só ´frufru´ que estão fazendo em cima disso para ter uma impressão de que estão resolvendo, mas não estão", concluiu Serra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.