Serra nega haver sonegação de informação sobre vítimas

O governador José Serra negou neste domingo haver sonegação de informação sobre as vítimas do desabamento nas obras do Metrô de Pinheiros, apesar da reclamação generalizada dos familiares. "O pessoal tem contato, não há sonegação, só não há notícia", afirmou.A chegada do governador para vistoriar as operações de busca no acidente do Metrô, por volta das 19h, provocou confusão e empurra-empurra. Marli Aparecida, irmã de Reinaldo Aparecido Leite, motorista da van soterrada, correu atrás da comitiva oficial e, aos berros, cobrou satisfações do tucano e também do prefeito Gilberto Kassab, outro presente na visita.Foi em vão. Com ajuda de um grupo de seguranças e homens da Polícia Civil, os governantes desviaram do tumulto e seguiram em direção à entrada do túnel que dá acesso ao futuro ponto da estação, em uma rua próxima ao ponto que deslizou.Salvamento pouco provávelEm uma gaiola, o governador desceu ao duto. Depois, caminhou até onde pôde. "Fui até o túnel, mas com os novos desabamentos, não dá mais para ver a van. Eu vi o filme que tem o registro (da van)", disse. Questionado sobre as vítimas, assumiu: "Quem tiver dentro da van, terá sido vítima", respondeu. O tucano não se mostrou otimista quanto ao salvamento de sobreviventes. "Não sei, Deus queira, mas acho pouco provável", argumentou.Serra explicou que foi ligado um cabo ao microônibus, mas que os trabalhos de busca estão suspensos pelo túnel. "Agora, vamos começar por cima para aliviar a carga, para evitar novos desabamentos. Não podemos ter bombeiros, que estão sendo heróicos, como vítimas", disse.O governador explicou que as novidades não virão tão cedo. "Antes de amanhã, não terá novidade", alegou. "Mas tudo depende dos fatores imprevistos, como novos deslizamentos, até mesmo fruto da movimentação das buscas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.