Serra programa nova ofensiva no Nordeste

Giro pela região deve começar pelo Ceará na próxima semana. Depois estão previstas visitas ao Piauí e Paraíba

Christiane Samarco, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

O candidato do PSDB a presidente, José Serra, deve cumprir um circuito nordestino na próxima semana, com o objetivo de reduzir a vantagem da adversária petista Dilma Rousseff na região. O roteiro completo ainda não está fechado, mas o tucano já confirmou que visita o Ceará no dia 17.

A escolha do Estado para ser a primeira parada não é por acaso. O tucanato quer começar o giro no rastro dos tropeços da candidata do PT.

Depois da passagem de Dilma pelo território cearense há cerca de um mês ? sem comunicado prévio ao governador Cid Gomes (PSB) e em meio à operação do Palácio do Planalto para desmontar a candidatura presidencial do deputado Ciro Gomes (PSB-SP) ? , a ideia é aproveitar o clima de solidariedade aos irmãos que sempre atuaram em parceria com o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) no Estado.

"O presidente Lula continua muito forte no Ceará, mas a antipatia pela candidata dele é crescente", afirma Tasso. "Pode ser até que a Dilma industrializada, pasteurizada e enlatada no programa eleitoral de TV melhore seu desempenho. Mas fora da tela, não vai ter jeito. É a impressão que estou colhendo por aqui".

A visita ao Ceará vai começar pelo interior, na região do Cariri, em Crato e Juazeiro, terra de Padre Cícero e um dos maiores centros de romarias e religiosidade popular do Brasil. O dia seguinte ele passa em Fortaleza.

Encarregada de cuidar da agenda de viagens do candidato, a senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) diz que, no Ceará, a visita tem um objetivo mais político, de conquistar novos aliados. Por isso os encontros com cerca de 200 prefeitos e líderes políticos municipais, tanto na capital como no interior. Mas, como o objetivo é conquistar eleitores além da estrutura política da oposição no Nordeste, bem menor do que a do presidente Lula e sua candidata, os chamados eventos de rua e de mídia não podem faltar.

"Nosso candidato precisa ser visto e precisa falar diretamente com setores da economia e da sociedade civil, que as estruturas aliadas a nós nesses Estados não alcançam", explica o deputado Jutahy Júnior (PSDB-BA).

No giro nordestino, a programação também vai incluir entrevistas a rádios e TVs locais, caminhadas pelas ruas, mercados, feiras e centros comerciais, deixando claro que o objetivo central é aproximar o candidato do povo.

Depois do Ceará, estão programadas viagens ao Piauí e a Campina Grande, na Paraíba. Serra também irá ao Recife, agora com a garantia de um palanque confortável com o PMDB do senador Jarbas Vasconcelos (PE), que vai disputar com o governador Eduardo Campos (PSB), que tenta a reeleição.

O comando político da campanha deve se reunir hoje em Brasília para avaliar o impacto positivo das viagens. As visitas espaçadas a Estados nordestinos começaram pelo Rio Grande do Norte, mas Serra já visitou a Bahia por duas vezes e Alagoas. "Serra tem deixado ótima impressão por onde passa, mostrando o que fez pelo Nordeste e por cada Estado em particular, seja como ministro do Planejamento ou da Saúde", atesta o líder do DEM no Senado, José Agripino (RN).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.