Serra quer levar programa de ensino de SP para o País

Com agenda de campanha focada nas ações de educação realizadas na gestão tucana - tema criticado à exaustão pelo PT - o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, prometeu ontem, caso eleito, estender o programa Ler e Escrever, de iniciativa do governo paulista, para todo o País.

Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2010 | 00h00

O programa promove aperfeiçoamento do material pedagógico e institui um professor auxiliar em sala de aula. Para divulgá-lo, Serra esteve em Cidade Tiradentes, extremo da zona leste de São Paulo, para caminhada e corpo a corpo com eleitores do bairro, sempre ao lado de Geraldo Alckmin, candidato ao governo paulista.

"Nas escolas do município de São Paulo o analfabetismo de crianças de segundo e terceiro ano caiu pela metade graças aos materiais dos professores e graças a uma professora auxiliar em sala de aula. Nós fizemos aqui em São Paulo e dá pra fazer no Brasil", disse o candidato.

Ao lado da Escola Municipal de Ensino Fundamental Elias Shammas, no distrito do Barro Branco, o candidato defendeu obras que realizou em sua gestão como prefeito de São Paulo. "Esta escola aqui era uma escola de lata quando cheguei à Prefeitura. Nós não só construímos a escola como comemoramos muito o rendimento dos alunos. Essa é uma questão fundamental no nosso País", afirmou Serra.

O tucano delineou o que considera as diretrizes para melhorar o ensino público. "Primeiro lugar é preciso ter mais creches e pré-escolas para preparar os alunos. Segundo, é preciso valorizar o professor, o aprendizado, os materiais de ensino, o treinamento de professores." Segundo ele, com a ampliação do programa, é possível reduzir pela metade o número de alunos que não aprendem a ler e a escrever no primeiro ano em todo o País.

Educação

JOSÉ SERRA

CANDIDATO DO PSDB

"É preciso ter mais creches e pré-escolas para preparar alunos"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.