Cacalos Garrastazu/Obritonews
Cacalos Garrastazu/Obritonews

Serra se diz confiante de que haverá 2º turno

Em visita a Mato Grosso, candidato tucano à Presidência evitou comentar a última pesquisa Datafolha e voltou a defender a liberdade de imprensa

Alex Fama ESPECIAL PARA O ESTADO / SINOP , Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2010 | 00h00

A diminuição da vantagem da candidata do PT, Dilma Rousseff, deu mais confiança aos tucanos, que agora têm esperança de que haverá segundo turno, embalado pela reação de Marina Silva (PV) e pelo estancamento na queda de José Serra (PSDB) nas pesquisas.

Um dia após a divulgação do Datafolha, que mostrou a queda de cinco pontos porcentuais na vantagem de Dilma em relação aos adversários, Serra disse estar confiante com o resultado do dia 3 de outubro. "Estarei no segundo turno. Disso eu tenho uma enorme confiança, independentemente de pesquisas", declarou ontem em Sinop (MT).

Para os tucanos, a pesquisa, embora menos otimista que os números que o comando da campanha tem em mãos, reforça a tendência de um segundo turno entre Serra e Dilma - as avaliações são feitas com base nas pesquisas qualitativas diárias com grupos de eleitores em sete Estados, encomendadas pelo PSDB.

Diferentemente das análises predominantes no cenário político, os principais integrantes da campanha dizem que os números existentes não são suficientes para bancar a tese de que a alteração no cenário se deu em razão das denúncias de quebra de sigilo fiscal de pessoas ligadas ao PSDB ou das notícias de tráfico de influência na Casa Civil.

Na avaliação dos principais assessores de Serra, é mais provável que Dilma tenha oscilado negativamente por estar muito apoiada em Lula. Já Marina sobe, "e vai subir mais", por não se meter na disputa PT e PSDB.

Outros pontos destacados pelos tucanos para embasar o otimismo são a aproximação entre Serra e Dilma, nas projeções do segundo turno, e o indicador potencial de votos (em quem o eleitor votaria com certeza mais em quem poderia votar) versus rejeição do candidato, segundo o qual Serra estaria com desempenho melhor que o de Dilma.

Liberdade de imprensa. Ontem, em Sinop, ao ser questionado sobre a liberdade de imprensa, o tucano disse: "Quem hoje persegue a imprensa, amanhã vai perseguir credos religiosos e assim por diante."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.