Serra volta a falar em dobrar Bolsa-Família

Em caminhada de campanha no interior do Ceará, candidato do PSDB diz que seu programa de governo vai priorizar saúde, segurança e educação

Carmen Pompeu, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2010 | 00h00

O candidato tucano à Presidência da República, José Serra, caminhou ontem pela feira da cidade de Cascavel, no litoral leste do Ceará, a 60 quilômetros de Fortaleza.

Ao lado do senador Tasso Jereissati (PSDB), candidato à reeleição, e de Marcos Cals (PSDB), que disputa o governo cearense, Serra cumprimentou eleitores, ouviu pedidos de investimentos que atraiam empregos para a cidade e reafirmou que pretende dobrar a cobertura do programa Bolsa-Família.

"Vamos ampliar e reforçar a ligação do Bolsa-Família com o programa de saúde da família", afirmou Serra. Questionado de onde tiraria dinheiro, respondeu: "Não é muito dinheiro. Para se ter uma ideia, 10% do que se gasta em juros são suficientes para mais 50% para o Bolsa-Família", afirmou. Sobre o programa de governo que vai lançar amanhã, Serra disse que pretende priorizar três áreas: saúde, educação e segurança.

O tucano aproveitou para tecer críticas à adversária Dilma Rousseff. Serra acusou Dilma Rousseff de fugir dos debates. "Nosso jogo eleitoral é limpo. Fazemos campanha sem jogo sujo, sem espionagem. Não temos candidatos que fogem do debate e onde tudo é preparado à distância, por marqueteiros."

Serra voltou a falar sobre a distribuição dos royalties do pré-sal. Segundo ele, é preciso traçar um modelo que beneficie todos os Estados brasileiros, mas sem prejudicar os Estados produtores como o Rio de Janeiro e o Espírito Santo. "Do jeito que o governo está fazendo, vai ser um colapso. Ele simplesmente tirou de uma vez, sem dar nenhuma compensação aos Estados que produzem. Quer retirar isso da noite para o dia. Defendo um modelo que atenda a todos."

Com relação ao Ceará, o candidato tucano disse que pretende tocar as obras que estão sendo feitas pelo atual governo e que "não estão andando como deveriam".

O presidenciável tucano também criticou o ritmo lento da Ferrovia Transnordestina e lembrou que, quando foi ministro, concluiu obras importantes para o Estado como a ampliação do aeroporto de Fortaleza, o Porto de Pecém e a construção do açude Castanhão.

Ainda ontem, Serra deveria participar de duas festas tradicionais no Ceará.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.