Serristas trabalham para emplacar Goldman

Parte do PSDB paulista ligada ao ex-governador José Serra (PSDB) pressiona para emplacar o atual governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), no secretariado do tucano Geraldo Alckmin a partir do ano que vem.

Roberto Almeida e Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2010 | 00h00

Goldman é braço direito de Serra e desempenhou função estratégica durante sua gestão como secretário de Desenvolvimento. Permaneceu na pasta até 26 de janeiro de 2009 e transmitiu o cargo exatamente a Alckmin, que retornava ao cenário político depois das derrotas nas urnas de 2006 e 2008.

O nome do atual governador surgiu como secretariável pela primeira vez há cerca de um mês. Ele foi cotado para assumir a pasta de Transportes, mas sempre negou interesse em estar no novo governo tucano.

Mas, com o anúncio de anteontem, que oficializou Saulo de Castro Abreu Filho nos Transportes e Jurandir Fernandes nos Transportes Metropolitanos, o nome de Goldman está sendo cotado para Saneamento e Energia. A atual secretária, Dilma Pena, dificilmente continuará no cargo.

Mais serristas. Além de Goldman, o movimento para emplacar serristas na gestão Alckmin tenta impor os nomes dos secretários Mauro Ricardo Costa (Fazenda) e Luiz Antônio Guimarães Marrey (Casa Civil).

Mauro Ricardo poderia ser mantido na Fazenda, que ainda não tem nome indicado. No entanto, um destino ventilado para o secretário é a Prefeitura de São Paulo, onde trabalhou com Serra até 2006, para compor a gestão de Gilberto Kassab (DEM).

Marrey, por sua vez, seria obrigado a trocar de secretaria, já que a Casa Civil está nas mãos de Sidney Beraldo (PSDB), indicado pelo governador eleito e chefe da transição tucana. Uma pasta em aberto que poderia abrigá-lo é a da Justiça, a qual tocou durante boa parte da gestão Serra.

Entre os alckmistas não há sinalização sobre qual será o futuro dos três nomes. Até agora, o governador eleito anunciou apenas sete secretários para um total de 26 pastas - a maioria é de seu círculo próximo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.