Serviço de Imigração em Miami prende brasileiros ilegais

Uma operação do Departamento de Imigração e Segurança de Fronteiras dos Estados Unidos, realizada em Miami, no Estado da Flórida, deteve um total de 178 imigrantes ilegais, entre eles brasileiros. Segundo um comunicado do serviço de imigração, a ação, intitulada Retorno ao Remetente, durou uma semana e foi encerrada na última sexta-feira. Os detidos provém de 18 países. Além de brasileiros, foram presos cidadãos de El Salvador, Colômbia, Venezuela, Peru, Honduras, México, Guatemala, Argentina, Argélia, Haiti, Romênia, Geórgia, Albânia, Equador, Chile, Jordânia e Panamá. As prisões ocorreram em Miami e nos arredores da cidade, nos condados de Dade, Broward e Palm Beach. Segundo o serviço de imigração, entre os que foram presos há pessoas com antecedentes criminais. Antecedentes De acordo com a porta-voz do Departamento de Imigração em Miami, todos os que já tinham antecedentes criminais e vinham sendo procurados pela Justiça americana deverão ser excluídos do país o quanto antes. "Através de cada detenção, nós asseguramos a segurança pública e restabelecemos a integridade de nosso sistema de imigração. Aqueles que estão violando as leis de imigração dos Estados Unidos não devem se supreender se forem presos e deportados", afirmou Michael Rozos, responsável pela divisão da Flórida do serviço de detenção e deportação. A operação "Retorno ao Remetente" faz parte de um plano lançado pelo Departamento de Segurança Doméstica dos Estados Unidos, chamado Fronteiras Seguras, que visa conter imigração ilegal e garantir a segurança das fronteiras americanas. A ação visa também assegurar que imigrantes ilegais possam ser retirados dos Estados Unidos em um período de tempo curto. Através do plano Fronteiras Seguras, 424 imigrantes ilegais foram deportados a partir de Miami, em janeiro deste ano. Entre os deportados, 131 já haviam sido condenados pela Justiça americana, que os acusava de haver cometido crimes.

Agencia Estado,

08 Fevereiro 2007 | 03h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.