Serviço precário

No final de janeiro funcionários da Embratel me ofereceram um telefone fixo no Plano Livre para Falar-50. No dia 6 de fevereiro o aparelho chegou em casa. Após carregá-lo verifiquei que o sinal do aparelho era muito fraco, permitindo o seu uso de forma precária apenas na parte de cima do sobrado onde moro. Dos 7 bastões que indicam a intensidade do sinal, aparece apenas 1. Entrei em contato com a Embratel e a atendente disse que iria reprogramar o aparelho. Mas nada mudou! Ela disse então que, para resolver o problema, um técnico da Embratel entraria em contato comigo em 24 horas. Como não recebi a chamada, liguei novamente várias vezes nos últimos 30 dias e sempre ouvi a mesma informação, de que um técnico iria entrar em contato comigo - o que não ocorreu até 17 de março. Comprei o telefone fixo com plano "livre para falar", porém não posso usá-lo porque o telefone não funciona. Por que a Embratel insistiu tanto em vender o telefone e agora não aparece para solucionar o problema? AURÉLIO H. BEBIANO São PauloO Atendimento Livre da Embratel informa que, após visita técnica, foi constatada insuficiência de sinal no endereço de instalação da linha. Sendo assim, o cliente pode solicitar o seu cancelamento ou permanecer com o serviço ativo. A empresa esclarece que o sr. Bebiano decidiu permanecer com o serviço.O leitor responde: Resolvi não cancelar a linha na esperança de que a Embratel solucione o problema em breve, pois não tem sentido a empresa continuar queimando sua imagem com esse tipo de serviço. Erro e desrespeitoNo dia 20 de fevereiro a Eletropaulo cortou a energia da minha residência sem aviso prévio. Ao ligar na empresa, descobri que a solicitação de desligamento tinha sido feita por alguém que havia se passado por minha irmã, responsável pela conta de luz. Quem fez isso foi a proprietária de um imóvel onde moramos há cerca de 1 ano e meio, na Rua Templários, cuja conta está em nome de minha irmã. Em resumo, há dois cadastros da minha irmã na Eletropaulo. Fizemos então diversas ligações para pedir que religassem a luz, mas a empresa não deu atenção ao problema. Os dois operadores que efetuaram o corte foram bastante estúpidos e humilharam minha mãe, que estava no local. Eles não apresentaram ordem de serviço e, quando foram questionados sobre o motivo do corte, saíram rindo sem explicar nada. O prédio inteiro acha que foi cortada a energia por falta de pagamento, o que gerou desconforto e constrangimento para minha família. Não há nenhuma conta em atraso. Indagada sobre o religamento, a Eletropaulo disse que seria restabelecida a energia na segunda-feira de carnaval, na primeira hora. Porém isso não ocorreu. Perdemos vários produtos alimentícios, ficamos sem comunicação, porque os celulares descarregaram e nosso telefone é sem fio. Uma pilha de roupas sujas se acumulou e tivemos de lavá-las na casa de parentes. Eu perdi 4 dias de trabalho. Um prejuízo enorme. Pretendemos entrar com uma ação no júri de pequenas causas contra a Eletropaulo e contra a sra. Regina, por ter-nos causado todo esse transtorno desnecessário.ADRIANO SANTOSSão PauloA AES Eletropaulo informa que o sr. Santos receberá indenização referente à suspensão indevida e à demora na religação do serviço.Apenas em dinheiroEstou me preparando para uma viagem ao Chile, de 8 a 12 de julho, e, como tenho programa de pontos em meus cartões, pedi o resgate deles na Varig. No entanto, ao tentar emitir os bilhetes com as milhas, foi-me informado de que não há assentos para a compra com milhas, somente com dinheiro em espécie. Isso é lamentável, pois, como cliente que adquiriu milhas, teoricamente eu deveria ser considerada cliente preferencial. Além disso, não posso retroagir as milhas para o cartão.DANIELA A. SANTOS DERDERIANSão PauloA Central de Relacionamento com o Cliente da GOL informa que entrou em contato com a sra. Daniela para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido. A companhia esclarece que as reservas do programa Smiles estão sujeitas à disponibilidade de assentos, mesmo quando os voos não estejam lotados. Informações complementares a respeito deste assunto poderão ser encontradas na normativa regulamentar, disponível no site www.smiles.com.brA leitora contesta: Informo que, até hoje, ninguém da GOL entrou em contato comigo para ao menos responder à minha solicitação.As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.