Serviço sempre indisponível

Faz 20 dias que o serviço de gravação digital da NET não funciona. Comprei o conversor da empresa (por R$ 800) e tenho a possibilidade de gravar programas da TV aberta e fechada. Por este serviço específico de gravação pago R$ 19,90 todo mês - numa fatura que já vem bem alta, de cerca de R$ 400, pois sou cliente do Combo (TV, internet e linha telefônica). O técnico da NET já foi em minha casa e não resolveu, já liguei milhares de vezes no 10621 e eles sempre dizem que o serviço estará disponível a partir das 23h59 do dia seguinte. Mas ele não volta, não fica disponível nunca, e o atendimento telefônico da NET, para variar, é horrível. As pessoas me atendem, ouvem o problema e depois desligam na minha cara ou me deixam horas na espera. Ninguém resolve e ninguém me dá um retorno. Alguns atendentes com os quais consegui falar me disseram que o problema é geral na NET, que muitos consumidores desse serviço específico estão sem acesso ao gravador por conta de alguma falha no software e me parece que eles não sabem exatamente o porquê, não entenderam o problema. Ou seja, é algo mais abrangente que atinge diversos consumidores. AUDREI FRANCO São Paulo Fernanda Piccablotto, da Gestão de Clientes NET São Paulo, informa que a NET entrou em contato com a sra. Audrei, no dia 23 de fevereiro, e que foi realizada a regularização do cadastro. A leitora responde: Um funcionário da NET me ligou e o serviço finalmente voltou a funcionar. Parece que só desta forma, por meio de reclamação no Estadão, eles tomam uma atitude. Pedra na Autoban No dia 16 de janeiro quando ia para Piracicaba, entre os quilômetros 58 e 59 da Rodovia dos Bandeirantes, tive de frear porque havia um trator que fazia o serviço de capinação e jogava terra na via. O para-brisa de meu carro foi atingido por uma pedra. Parei na praça de pedágio, no quilômetro 77. Esperei por mais de uma hora uma viatura da Autoban. Não podia esperar mais tempo e solicitei a presença de um funcionário para que tomasse providências e tirasse as fotos necessárias para comprovar os danos. Após tirar as fotos, ele me instruiu para que eu ligasse para o 0800 da Autoban e que eu fizesse um Boletim de Ocorrência em alguma base da Polícia Rodoviária Militar, o que fiz no mesmo dia. Enviei o boletim por fax com mais três orçamentos para o reparo e escrevi uma carta relatando o ocorrido com minhas informações pessoais no dia 19. Deram um prazo de 30 dias para me dar uma resposta. Não concordei porque uso o carro para trabalhar e, por isso, paguei o conserto. Pago pedágio na hora, mas tenho de esperar 30 dias para ser ressarcido? RAFAEL ADDOR São Paulo A ouvidora da CCR e da Autoban, Cristiana Hollanda, esclarece que a concessionária informou ao leitor sr. Addor que o prazo de análise e resposta só começa a ser contado a partir da data de entrada do pedido na Ouvidoria e não da data do incidente, como também o prazo para análise do pedido é de 30 dias, em 80% dos casos, de acordo com os procedimentos do Sistema de Gestão da Qualidade da Concessionária. Diz que após a devida análise, a Ouvidoria indeferiu o pedido porque, segundo as disposições contratuais e legais da empresa, os usuários são ressarcidos quando há falha comprovada da empresa. Acrescenta que não foi o que ocorreu porque diz que não possui registro de serviços de poda mecânica ou manual executada no quilômetro, em data e horário indicados pelo usuário. ?Speedymia? Não bastam as doenças trazidas por enchentes, poluição e sujeira, agora temos a "Speedymia". Uma doença que ataca a internet dos brasileiros reféns dos serviços da Telefônica, um monopólio que deixou seus clientes sem saída. Basta uma pane qualquer e tudo para. A empresa não atende seus clientes em dias de caos, nos outros, é a novela de sempre, ora cai a linha, ora nos deixam esperando e ora nos explicam errado. O SAC na Telefônica não respeita o cliente, é um serviço que ignora a lei, mesmo estando previstas multas à companhia. Quando poucas pessoas tinham telefone fixo, muitas reclamavam por não ter uma linha. Hoje, quando todo mundo pode ter um telefone fixo, eles não funcionam e seu custo é tão alto que os telefones celulares tomaram conta do mercado. Internet é uma ferramenta que domina o planeta e rasteja no atraso da telefonia privatizada que só pensa no próprio lucro. Quem está ganhando com isso? O povo, para variar, é eternamente punido. IZABEL AVALLONE São Paulo As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.