Servidor recebe com reserva proposta de reforma previdenciária

A proposta de mudança na Previdência foi recebida com reservas pelos servidores. Para eles, qualquer alteração deve ser amplamente debatida com todos. A categoria já fala até em reajuste salarial para que a nova alíquota possa ser adotada."É uma discussão complexa, pois envolve questões legais, direitos adquiridos e outras questões polêmicas", afirmou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública do Município de São Paulo, (Sindsep), Leandro de Oliveira.Segundo ele, há duas correntes no sindicato: uma que defende o modelo atual e outra que aceita a discussão de uma reforma. "Vamos ter de discutir um modelo que realmente nos interesse", disse Oliveira. Segundo ele, qualquer alteração na alíquota exige reajuste salarial. "Não podemos ter um desconto maior sobre um salário defasado há muito tempo."A reforma será discutida mais profundamente no sindicato a partir deste mês. "Se não tivermos uma posição unificada, no fim do ano eles passam o trator sobre nós", afirmou. O presidente do Sindicato dos Profissionais em Educação do Ensino Municipal de São Paulo, vereador Claudio Fonseca (PC do B), afirmou que a reforma depende do acerto das dívidas da Prefeitura com o Iprem, estimada em R$ 1,37 bilhão.O valor equivale a empréstimos e repasses de contribuições que não foram feitos em governos passados. Segundo o superintendente do Iprem, Alencar Ferreira, a dívida já foi renegociada e deverá ser paga em até 15 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.