Servidores da Justiça entram em greve em Alagoas

Os servidores do Poder Judiciário de Alagoas decidiram nesta terça-feira pela manhã entrar em greve por tempo indeterminado, até que o Tribunal de Justiça de Alagoas conceda 72,95% de reajuste salarial, referente a uma diferença de 102,95% que a categoria conquistou na própria Justiça, no final do ano 2000."Desse total, o Tribunal pagou 30%, no início deste ano, e até agora só tem feito promessas de que vai implantar o restante, mas a categoria não agüenta mais esperar em vão a implantação dos 72,95%", afirmou Edmilson Rocha, presidente doSindicato dos Serventuários da Justiça de Alagoas (Serjal). A greve foi definida em assembléia geral da categoria, realizada na sede do sindicado. Apenas 150 - dos 2 mil servidores - participaram da assembléia. Segundo o presidente do sindicato,os serviços essenciais serão garantidos. Além dos 72,95%, os grevistas reivindicam ainda a anulação do concurso público para serventuários da Justiça, revisão das provas dos candidatos reprovados, garantia da não-demissão paraos servidores que não passaram no concurso e, caso haja demissão, que seja garantida a indenização desses servidores.O presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas, desembargador Fernando Tourinho, disse que ainda não tinha recebido as reivindicações dos servidores, por isso não podia opinar sobreelas. "Quanto à greve, fiquei sabendo pela imprensa, mas, por enquanto, a Justiça está funcionando normalmente", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.