Cedida/Polícia Civil-PB
Cedida/Polícia Civil-PB

Sete adolescentes morrem durante rebelião em centro de recuperação na Paraíba

Há relatos de esquartejamento e pelo menos 30 jovens conseguiram fugir da unidade

Ricardo Araújo - Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2017 | 15h00

A Delegacia de Polícia Civil de Campina Grande, na Paraíba, confirmou a morte de sete adolescentes infratores que cumpriam medidas socioeducativas no Lar do Garoto Pe. Otávio Santos, no distrito de Lagoa Seca, agreste paraibano.  A maioria das vítimas morreu carbonizada. Há relatos, também, de esquartejamento. Pelo menos 30 adolescentes conseguiram fugir. A unidade abrigava 212 internos, mas foi projetada para ressocializar 40.

O confronto entre grupos rivais teve início após após uma tentativa de fuga abortada por agentes de ressocialização. Era por volta das das 02h30 deste sábado, 03, quando os adolescentes saíram dos alojamentos e se amotinaram no pátio. Percebidos pelos agentes, que impediram a fuga, os internos partiram para as alas rivais e deram início ao confronto. Colchões, roupas, lençóis e diversos outros objetos foram queimados.  A maioria das vítimas, de acordo com relatos de policiais civis, morreu dentro dos alojamentos.

LEIA MAIS: Após pesquisa, Doria volta a falar de Cracolândia e critica Ministério Público

Dois internos que ficaram feridos na rebelião foram encaminhados para o Hospital de Trauma de Campina Grande, onde são avaliados. O estado de saúde das vítimas ainda não foi divulgado pela Polícia Civil. Os adolescentes envolvidos na chacina estão sendo ouvido na Delegacia Seccional de Polícia Civil da Paraíba pela delegada Helen Maria. Os corpos das vítimas fatais foram recolhidos para o Instituto Médico Legal de Campina Grande, onde serão periciados.

Tudo o que sabemos sobre:
Paraíbarebelião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.